<
>

Libertadores: Abel diz que não discute com quem 'entende pouco de futebol', lembra que é sócio do Palmeiras e dá recado a 'corneteiros'

Em coletiva após o empate por 1 a 1 no Mineirão e a classificação do Palmeiras à final da Conmebol Libertadores, o técnico da equipe alviverde, Abel Ferreira, mostrou irritação ao ser questionado sobre a opção de usar o esquema 3-5-2 nesta terça-feira.

O português diz que não discute futebol com quem entende pouco da tática do esporte e salientou que, mesmo com três zagueiros, é possível ser muito ofensivo em campo.

Acompanhe a repercussão de Palmeiras x Atlético-MG logo após o jogo no Linha de Passe, com transmissão pela ESPN no Star+. Para ter mais informações, clique aqui.

"Não vou discutir (o esquema 3-5-2). Essa conversa está gasta. Não vou gastar tinta e discutir com quem entende pouco de futebol. Para mim, uma equipe com três zagueiros pode ser ultraofensiva", afirmou.

"Se vocês recordarem, nos tempos áureos do São Paulo com o Muricy, como ele jogava? Com três zagueiros. São 10 anos de estudo que eu tenho. Podem me chamar de arrogante, mas eu não chamo de arrogância. Chamo de trabalho, de competência, de curiosidade. De sair do CT para casa estudar, de sair de casa para trabalhar no CT", bradou.

Em seguida, Abel desabafou e mandou um recado direito aos torcedores, dedicando a classificação aos "verdadeiros" palmeirenses, e não aos "interesseiros".

O português ainda lembrou que é sócio-torcedor do clube e lembrou que paga mensalidade porque gosta do Palmeiras.

"Eu já convenci os torcedores que são torcedores do Palmeiras de coração. Os por interesse eu nunca vou convencer. Os que gostam do Palmeiras de coração eu já convenci há muito tempo. E eu convenço não só nas vitórias, mas nas vitórias e nas derrotas. O verdadeiro palmeirense você vê nos momentos difíceis, e todo esse trabalho que tivemos é para eles que dedicamos, para aqueles que torcem por nós em todos os momentos", exaltou.

"Eu sou o treinador, mas também sou sócio. Eu pago para ser sócio-torcedor. Então, eu também tenho direito de cornetar o treinador. Eu amo esse clube, eu gosto desse clube, eu gosto das pessoas que trabalham nesse clube, e estou até o fim com meus jogadores aqui. E, aos torcedores, das duas uma: ou aprendem que ser do Palmeiras é ser diferente ou vamos andar nessas guerras", avisou.

"Nossos adversários estão fora da nossa casa, não dentro dela. Eu estou aqui para defender meus jogadores e vamos fazer de tudo para engrandecer esse clube. A gente pode não ganhar nada, mas uma coisa esses jogadores merecem: respeito", finalizou.

Melhores momentos