<
>

São Paulo: Sequência de lesões e problemas físicos aumentam questionamentos sobre comissão de Crespo

play
Crespo fala de possíveis mudanças e cita conversas internas: 'Tivemos uma situação que aconteceu entre os jogadores e eu' (1:21)

Técnico do São Paulo falou após o empate em 0 a 0 com o Atlético-MG (1:21)

A queda de rendimento do São Paulo desde a conquista do Campeonato Paulista causa questionamentos nos bastidores do Morumbi, direcionados especialmente à comissão técnica de Hernán Crespo.

O principal alvo de insatisfação da diretoria é o preparador físico Alejandro Kohan, braço direito do treinador argentino e um dos pilares da comissão, que chegou ao clube em fevereiro, com um contrato válido até o fim de 2022.

A informação foi publicada inicialmente pelo jornalista Jorge Nicola, em seu blog no portal Yahoo!, e confirmada pela ESPN. Não há, no entanto, um movimento concreto para demitir a comissão técnica neste momento.

Os questionamentos sobre Alejandro Kohan ficam maiores por causa dos problemas físicos do time, atualmente mais perto da zona de rebaixamento do que da briga pelas primeiras posições no Campeonato Brasileiro.

Desde que foi campeão paulista, o elenco principal do São Paulo teve mais de 30 lesões musculares na temporada, o que prejudicou o planejamento e tirou vários jogadores considerados titulares de partidas importantes.

A incapacidade física fica mais nítida durante os jogos, em que o São Paulo mostra dificuldade para manter o mesmo ritmo por 90 minutos. Também chama atenção a queda do nível agressivo na marcação, que era uma marca do trabalho de Crespo no Paulistão.

Outro ponto de insatisfação dos dirigentes, segundo Nicola, é com o trabalho de Gustavo Nepote, treinador de goleiros. Aqui, o ponto analisado é a má fase de Tiago Volpi, que cometeu falhas decisivas nas eliminações da Copa do Brasil e da Conmebol Libertadores.

Além de Kohan e Nepote, a comissão técnica são-paulina conta ainda com o auxiliar Juan Branda, o preparador físico Gustavo Sato e o analista Tobías Kohan, todos argentinos e contratados com Crespo.

A diretoria do São Paulo espera pela melhora de rendimento da equipe, que só tem uma competição para disputar até o fim do ano. O foco é conquistar a vaga na Libertadores de 2022, para que a situação financeira do clube não fique ainda mais grave.