<
>

Metz: Como parceria com rival do PSG nesta quarta-feira abriu as portas da Europa para Mané brilhar

Nesta quarta-feira, o PSG visita o Metz, às 16h (de Brasília), pela 7ª rodada do Campeonato Francês, em partida com transmissão pela ESPN no Star+.

Apesar de não ser um clube de tantas glórias em termos de títulos, o Metz é conhecido por ter sido casa de alguns dos maiores nomes do futebol francês, como Patrick Battiston, Robert Pires e Franck Ribéry, entre outros, além de ter contado com várias lendas africanas, como os camaroneses Rigobert Song e Jacques Songo'o e o togolês Emmanuel Adebayor.

Assista a Metz x PSG com transmissão pela ESPN no Star+. Ainda não é assinante? Clique aqui para ter mais informações

Um país da África, aliás, tem relação muito próxima com a equipe francesa: o Senegal. A nação tem vários representantes de grande porte na história do clube cor de vinho, como o zagueiro Kalidou Koulibaly, hoje ídolo do Napoli, e o atacante Papiss Cissé, que fez sucesso na Premier League pelo Newcastle.

Foi o Metz que também lapidou aquele que é hoje um dos maiores nomes do futebol mundial: Sadio Mané, estrela do Liverpool. E tudo graças a uma parceria estratégica feita no final da década de 2000.

Em 2007, o time francês assinou contrato com o Génération Foot, clube senegalês conhecido pelo trabalho de captação de jovens jogadores no futebol local, e ofereceu recursos financeiros para melhorar a estrutura da agremiação. Em troca, os africanos dariam prioridade ao Metz na compra de alguns de seus melhores "produtos de exportação".

Foi assim que Sadio Mané chegou ao futebol europeu, na temporada 2010/11, após ter sido descoberto por olheiros do Génération Foot jogando no futebol de várzea do Senegal.

Após finalizar sua preparação na base, o atacante foi promovido ao profissional em 2011/12. Ele não teve muitas oportunidades de jogar, disputando 19 partidas e marcando só um gol. Para piorar, sua equipe foi rebaixada para a 3ª divisão do futebol francês.

Isso não impediu, porém, que alguns dos melhores observadores da Europa vissem que o Metz havia encontrado um craque no Senegal.

"Eu me lembro de um jogo contra o Jura Sud, em novembro de 2011, que estava tão frio e com tanta neblina que não dava para enxergar 20m à frente. A partida quase foi cancelada. O Mané começou no banco e entrou no 2º tempo", lembrou o zagueiro Gaetan Bussman, ex-companheiro de Sadio no Metz, em entrevista à revista FourFourTwo.

"Ninguém conseguia enxergar ninguém em campo. Eu só falei para os caras: 'Toquem a bola para o Mané'. Pedimos a ele que dominasse, driblasse todo mundo e fizesse os gols. Ele acabou não marcando gols, mas simplesmente acabou com o jogo e nós ganhamos de 2 a 1", rememorou.

Mané, então, foi vendido ao Red Bull Salzburg, da Áustria, logo em 2012/13, por 4 milhões de euros - um valor alto, se for considerado que à época o Metz estava na 3ª divisão francesa.

Daí em diante, a carreira do senegalês foi só sucesso atrás de sucesso. Depois de duas temporadas excelentes pelo Salzburg, o africano foi comprado pelo Southampton, da Inglaterra, por 23 milhões de euros. E, após mais dois anos espetaculares pelos Saints, veio a negociação com o Liverpool, em 2016/17, por 41,2 milhões de euros.

Com a camisa dos Reds, já são incríveis 100 gols em 224 partidas, além de vários grandes títulos, como uma Champions, um Mundial de Clubes, uma Premier League e uma Supercopa da Uefa.

Enquanto isso, a parceria entre o Metz e o Génération Foot segue existindo, e inclusive foi renovada por mais 10 anos em 2020. O modelo é considerado um sucesso, e inclusive ajudou muito os dois times - prova disso é que os franceses estão de volta à elite nacional.

Atualmente, seis jogadores senegaleses vestem a camisa da equipe cor-de-vinho.