<
>

Presidente do Cruzeiro ataca CBF após gol anulado no último lance; Moreno faz forte desabafo

O Cruzeiro recebeu o Operário em Sete Lagoas na abertura da 24ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Com gols de Claudinho e Paulo Sérgio, as equipes ficaram no empate em 1 a 1.

No último lance da partida, Marco Antônio tocou de lado para Marcelo Moreno, que acertou o cantinho para marcar o gol da vitória. O lance gerou polêmica, com jogadores do Operário pedindo um toque no braço do camisa 20. No VAR, após 13 minutos de espera, o lance foi anulado por falta.

Após a partida, em entrevista ao Sportv, o camisa 9 desabafou sobre o lance, criticando a arbitragem e citando a ‘intimidação’ da torcida.

“É uma alegria que dura pouco. A gente não pode sofrer isso aqui, dentro da nossa casa. Mandar qualquer juiz desse para apitar o jogo, Cruzeiro querendo subir. Todo mundo se doando, e ele fazer uma coisa dessa. Isso não existe. A CBF tem que olhar isso. A gente dá a alma, depois sai e é cobrado”, disse.

“Aconteceu com o Tardelli em São Paulo. Não pode sair na rua, nossa família está em risco por causa dele. Ele sai escoltado por que? A gente é bandido? A gente fez um grande jogo, mas assim é impossível ganhar assim. Deu um pênalti contra, anula um gol que ia nos ajudar na classificação. Como a gente faz agora?”, completou.

Em seu perfil no Twitter, o presidente Sérgio Santos Rodrigues chamou de absurdo o lance e ainda afirmou que a CBF está tentando evitar que o clube conquiste o acesso.

“É assim mesmo CBF que vocês querem impedir a gente de subir???? A-B-S-U-R-D-O. Lance é inconclusivo, o mínimo que tinha que ser feito era manter o resultado de campo!! ABSURDO O QUE ACONTECEU HOJE!”, escreveu.