<
>

Corinthians leva transmissão de jogo contra o Athletico-PR à Justiça

play
Corinthians: Tevez revela camisa de Betão em seu museu pessoal e zagueiro se emociona (0:20)

Carlitos Tevez fez uma transmissão ao vivo mostrando sua coleção e a camisa de Betão estava entre elas (0:20)

O Corinthians informou que realizou um pedido de tutela antecipada à Justiça para barrar a transmissão do jogo contra o Athletico-PR, que acontecerá neste domingo (22/08), na Arena da Baixada, às 16h (de Brasília).

O clube paulista disse não ter autorizado a transmissão da partida, válida pelo Brasileirão, no canal do "YouTube" da "Rádio Jovem Pan" e pelo streamer Nobru, na "Twitch".

O Corinthians tomou a atitude baseado na "Lei Pelé", que um jogo só poderá ser transmitido quando houver consenso entre os dois clubes.

"No entanto, no caso da partida em questão, não houve nenhum contato por parte do mandante ou de terceiros - por cujas plataformas a equipe do Paraná anuncia que transmitirá a partida", disse o Corinthians.

Apesar de ter sido aprovada a Lei do Mandante, que daria ao Athletico a condição de vender seus jogos como mandante, os contratos vigentes não foram contemplados.

Veja o comunicado na íntegra:

O Sport Club Corinthians Paulista esclarece que promoverá nesta sexta-feira, 20 de agosto, um pedido de tutela antecipada, cujo objetivo é determinar a abstenção da transmissão não autorizada da partida contra o Athletico Paranaense, a ser disputada no próximo domingo (22/8) na Arena da Baixada, casa de nosso adversário. As transmissões dos jogos de futebol são reguladas pela Lei Geral do Esporte (lei nº 9.615/98), conhecida como Lei Pelé. Desde 1998, para que imagens de partidas possam ser captadas, fixadas, emitidas, transmitidas, retransmitidas e/ou reproduzidas, por qualquer meio, é indispensável haver consenso entre o clube mandante e o visitante.

No entanto, no caso da partida em questão, não houve nenhum contato por parte do mandante ou de terceiros - por cujas plataformas a equipe do Paraná anuncia que transmitirá a partida.

O Corinthians, desta forma, entendeu ser cabível o ajuizamento da referida ação, sempre com o foco no resguardo de seus legítimos interesses.