<
>

Brasileirão agora só tem um técnico com mais de um ano no cargo; veja ranking completo de permanência

play
Neymar para em frente ao ônibus da seleção brasileira, ouve torcida e joga camisa para os fãs (0:33)

Craque do Brasil deixou 'lembrança' para quem o esperava na saída do hotel em Brasília (0:33)

A saída de Lisca do América-MG é mais uma prova de como funciona a dança das cadeiras entre os técnicos do futebol brasileiro. Agora, somente um clube da Série A tem o mesmo treinador há mais de um ano.

O líder desse ranking assustador é Guto Ferreira, que dirige o Ceará ininterruptamente desde 18 de março de 2020. Com ele, o Vozão foi campeão da Copa do Nordeste, na temporada passada, e se classificou para disputar a Copa Sul-Americana deste ano.

Completam o pódio de permanência na elite brasileira o jovem Maurício Barbieri, no Red Bull Bragantino desde 4 de setembro, e o português Abel Ferreira, empossado pelo Palmeiras em 30 de outubro.

Ter Abel entre os mais longevos do futebol brasileiro hoje em dia reforça o excesso de mudanças entre os clubes do Campeonato Brasileiro.

Rogério Ceni, outro que chegou há pouco no Flamengo, já tem o quarto trabalho mais longo da Série A, enquanto Dado Cavalcanti, no Bahia, completa o grupo dos técnicos que chegaram aos seus clubes em 2020. Os demais todos iniciaram seus trabalhos neste ano.

O trabalho mais recente é o de Jair Ventura, que assumiu a Chapecoense em 3 de junho. Mas ele perderá a "lanterna" do ranking rapidamente, já que Cuiabá, Internacional e América-MG estão no mercado atrás de um novo treinador. Ou futuro ex.

Veja desde quando os técnicos estão empregados:

1 - Guto Ferreira (Ceará) - Desde 18 de março de 2020

2 - Maurício Barbieri (Bragantino) - Desde 4 de setembro de 2020

3 - Abel Ferreira (Palmeiras) - Desde 30 de outubro de 2020

4 - Rogério Ceni (Flamengo) - Desde 10 de novembro de 2020

5 - Dado Cavalcanti (Bahia) - Desde 21 de dezembro de 2020

6 - Marquinhos Santos (Juventude) - Desde 4 de fevereiro de 2021

7 - Hernán Crespo (São Paulo) - Desde 12 de fevereiro de 2021

8 - Roger Machado (Fluminense) - Desde 27 de fevereiro de 2021

9 - Cuca (Atlético-MG) - Desde 5 de março de 2021

10 - António Oliveira (Athletico Paranaense) - Desde 13 de março de 2021

11 - Umberto Louzer (Sport) - Desde 14 de abril de 2021

12 - Tiago Nunes (Grêmio) - Desde 21 de abril de 2021

13 - Juan Pablo Vojvoda (Fortaleza) - Desde 4 de maio de 2021

14 - Fernando Diniz (Santos) - Desde 7 de maio de 2021

15 - Sylvinho (Corinthians) - Desde 23 de maio de 2021

16 - Eduardo Barroca (Atlético-GO) - Desde 28 de maio de 2021

17 - Jair Ventura (Chapecoense) - Desde 3 de junho de 2021

18 - Cuiabá - sem técnico desde 29 de maio

19 - Internacional - sem técnico desde 11 de junho

20 - América-MG - sem técnico desde 14 de junho