<
>

Crespo reclama de jogo picado no Brasil após nova derrota do São Paulo: 'É difícil de superar'

Hernán Crespo costuma ser econômico nas palavras após as partidas do São Paulo, mas neste domingo (13) falou um pouco mais, a ponto de reclamar do jogo com muitas interrupções que acontece no futebol brasileiro.

Após derrota para o Atlético-MG no Mineirão, o Tricolor desperdiçou mais uma chance e segue sem vitória no Campeonato Brasileiro. Para Crespo, causou irritação o excesso de paradas no segundo tempo, por faltas ou até a famosa "cera" do time vencedor nos minutos finais.

"Estou curioso de saber o tempo que se jogou na etapa final. Tivemos muitas interrupções durante o jogo, e é difícil quando um time precisa de um jogo dinâmico e tantas interrupções podem ser difíceis de superar", afirmou o treinador.

"Ao mesmo tempo, digo que temos que aprender. Estou aprendendo eu mesmo com isso no Brasil. Pequenas diferenças, jogar com o relógio. Temos um estilo, uma identidade de jogar, não posso pensar que outros times pensem igual, faz parte do jogo", disse.

Crespo também falou de mais uma lesão, agora de Miranda, que saiu ainda no primeiro tempo com um problema muscular. O zagueiro deve ser baixa para os próximos jogos do São Paulo, o que diminui o número de opções para o técnico, que já não conta com Daniel Alves, Luan e Benítez, todos em recuperação de lesões.

"Precisamos de todos, absolutamente todos. Falar de Dani ou de Martín (Benítez) depois de uma derrota é pouco elegante. Não acho que seja uma coisa justa carregar uma mochila importante de salvadores do São Paulo. São importantes, fazem falta, mas, ao mesmo tempo, temos jogadores", afirmou Crespo, que espera ter ao menos um deles na próxima quarta (16), contra a Chapecoense.

"Todas as lesões preocupam. Na realidade, temos um elenco que permite mudar, mas, como todo elenco, existem a categoria de jogadores que jogam mais. Então, falaremos com o doutor e o que sucederá. Com Luan, acho que estamos muito perto de contar com ele. O Miranda, nós veremos depois dos exames".