<
>

Corinthians vai precisar ficar no G-4 do Brasileiro para honrar meta de R$ 37 milhões após eliminações

O Corinthians amargou, nesta quarta-feira, diante do Atlético-GO na terceira fase da Copa do Brasil, mais uma eliminação na temporada. Com ela, veio também um buraco financeiro, já que o clube contava com o dinheiro da premiação pela vaga nas oitavas de final.

Depois de já ter caído também de forma precoce na Copa Sul-Americana, o time de Sylvinho agora só tem o Campeonato Brasileiro para honrar uma meta estipulada em orçamento de aproximadamente R$ 37 milhões em premiações. Para isso, será necessário terminar no G-4 da Série A.

A projeção é bem acima da que foi inicialmente feita pelo clube, que, financeiramente, contava com um sétimo lugar. Acontece que tanto na Copa do Brasil, quanto na Sul-Americana, a meta era chegar às oitavas, assegurando R$ 4,6 milhões a mais no total.

O Corinthians se despediu da Copa do Brasil com R$ 4,2 milhões – R$ 1,15 milhão na primeira fase, R$ 1,35 milhão na segunda e R$ 1,7 milhão na terceira. O orçamento alvinegro contava, no entanto, com R$ 6,9 milhões. Faltaram os R$ 2,7 milhões que viriam caso o time revertesse a derrota de 2 a 0 sofrida na ida diante do Atlético-GO – só empatou em 0 a 0.

Com a Sul-Americana, o Corinthians também esperava mais dinheiro. A equipe faturou US$ 1,02 milhão (R$ 5,1 milhões), valor pago na fase de grupos e um bônus pela segunda colocação do grupo. Uma eventual vaga nas oitavas, porém, valeria quase R$ 2 milhões a mais.

Assim, resta o Brasileirão, competição na qual o clube paulista fez projeção de arrecadar R$ 23,1 milhões, equivalente ao valor pago pelo sétimo lugar em 2020 – no caso, ao Palmeiras.

Para buscar os R$ 4,6 milhões que deixou pelo caminho na Copa do Brasil e Sul-Americana em premiações, só o G-4 salvará o Corinthians. Em 2020, a CBF pagou R$ 26,8 milhões ao São Paulo, quarto colocado; e R$ 28,4 milhões ao Atlético-MG, terceiro.