<
>

Clubes ingleses solicitarão a presidente do Real Madrid que dissolva Superliga Europeia de vez

play
Superliga? O dia em que os torcedores conseguiram mudar o rumo dos gigantes europeus (3:28)

Atlético de Madrid, Inter de Milão, Manchester United, Manchester City, Liverpool, Arsenal, Chelsea e Tottenham anunciaram saída da competição. (3:28)

Manchester United, Manchester City, Liverpool, Tottenham, Arsenal e Chelsea solicitarão a Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, que dissolva de vez a sociedade que os clubes criaram para lançar a Superliga Europeia, revelaram diversas fontes à ESPN.

Em 18 de abril, os seis grandes da Premier League, ao lado de Barcelona, Atlético de Madrid, Real Madrid, Juventus, Inter de Milão e Milan anunciaram o nascimento da Superliga, com Florentino como mandatário.

Porém, apenas um dia depois, os times ingleses, os dois clubes de Milão e o Atleti decidiram renunciar ao projeto, após encontrarem enorme oposição dos torcedores, de entidades como a Uefa e a Fifa e até políticos.

O Madrid, o Barça e a Juve são os únitos três times que seguem adiante com o projeto, mas a sociedade que os 12 integrantes criaram para lançar a Superliga segue ativa.

Por isso, diversas fontes revelaram à reportagem que, nos próximos dias, os seis da Premier League, com o conhecimento de Inter, Milan e Atlético, emitirão um requerimento a Florentino Pérez para que ele dissolva a organização de vez.

As fontes afirmam que, assim que o presidente do Real Madrid tiver em suas mãos essa petição formal, ele terá de duas a quatro semanas para convocar uma reunião com todos os membros da Superliga para finalizar tudo.

Claro Florentino se negue a convocar essa junta, os clubes ingleses planejam fazer uso de uma petição por via judicial, completaram as fontes.

Outra fonte das equipes britânicas destacou as dificuldades e dúvidas legais que existem sobre o projeto, com incerteza de qual é o número mínimo de clubes que devem sobreviver na Superliga para provocar sua dissolução, e se é possível alcançar isso sem ter que acionar os tribunais.

A Uefa já aceitou as "desculpas" dos nove times que saíram da organização, mas abriu um procedimento disciplinar contra Real Madrid, Barcelona e Juventus.

A ESPN já mostrou, em 5 de maio, que o trio pode levar uma sanção de até duas temporadas sem disputar a Champions League nas próximas semanas.

Já nesta semana, o presidente de LaLiga, Javier Tebas, declarou que os três clubes poderiam de fato serem excluídos da maior competição europeia.

"Mais que uma sanção, a Uefa pode deixar de inscrever Madrid e Barça na Champions. Creio que podem, sim, ficar de fora", advertiu Tebas, em entrevista à Gol TV.

Já o presidente do Barcelona, Joan Laporta, deixou claro que os blaugranas seguem apoiando a criação da Superliga, e assegurou que a equipe catalã acionará a Corte Arbitral do Esporte se a Uefa de fato punir a agremiação.

"Não vamos pedir pensão por pensar diferente. Se nos punirem, iremos à Corte Arbitral e temos segurança que ganharemos o caso. Não vamos ficar de braços cruzados", disparou.

Por fim, o mandatário da Juventus, Andrea Agnelli, destacou nesta sexta-feira que "o nascimento da Superliga" ocorreu em um "desesperado grito de socorro" dos times, e não como "um golpe de Estado".

"O acordo entre seus fundadores estava condicionado e tinha reconhecimento prévio por parte da Uefa. A resposta foi o silêncio, com expressões ofensivas e métodos arrogantes, com apenas três equipes sendo apontadas como 'culpadas'", reclamou o italiano.