<
>

Sterling e Walker sofrem ataques racistas após derrota do City em final da Champions

play
Chelsea bate o Manchester City com gol de Havertz e é campeão da Champions League (0:46)

Veja as melhores imagens da vitória por 1 a 0 na grande final (0:46)

Raheem Sterling e Kyle Walker, do Manchester City , sofreram com mensagens racistas em seus perfis do Instagram, após a derrota do time por 1 a 0 para o Chelsea na final da Liga dos Campeões no sábado , e a empresa de mídia social removeu as contas dos usuários agressores.

A Sky Sports relatou que os dois receberam emojis de macaco em suas páginas do Instagram após o jogo.

Sterling também foi o alvo após a vitória do City na semifinal sobre o Paris Saint-Germain, logo após o fim da campanha de boicote nas redes sociais do futebol inglês no início deste mês.

"O abuso racista enviado a esses jogadores na noite passada é abominável e não o queremos no Instagram", disse um representante do Facebook, dono do Instagram, em um comunicado no domingo.

"Removemos rapidamente uma série de comentários e contas por quebrar nossas regras e continuamos a revisar e tomar medidas contra aqueles que violam nossas políticas."

Ele acrescentou que: "Nada resolverá esse desafio da noite para o dia, mas estamos empenhados em fazer o que pudermos para manter nossa comunidade protegida de abusos."

Vários jogadores de clubes da Premier League foram alvos de ataques semelhantes nos últimos meses, incluindo Anthony Martial, do Manchester United, Trent-Alexander Arnold e Sadio Mané, do Liverpool, e Reece James, do Chelsea.

O atacante do Manchester United , Marcus Rashford, disse que foi submetido a "pelo menos 70 calúnias raciais" nas redes sociais após a derrota na quarta-feira para o Villarreal na final da Europa League.

Em fevereiro, órgãos do futebol inglês enviaram uma carta aberta ao Facebook e Twitter, exigindo atitudes para bloquear usuários de publicações ofensivas.

O Instagram anunciou novas medidas e o Twitter prometeu continuar seus esforços após tomar medidas em mais de 700 casos de abusos relacionados ao futebol no Reino Unido em 2019.