<
>

Libertadores: River Plate terá que atuar com jogador de linha no gol após Conmebol negar apelo

play
Riquelme é 'sincerão' e revela único diferencial que ofereceu para Cavani escolher Boca: 'Nem isso temos mais' (0:37)

Lendário camisa 10 e atual dirigente do clube argentino, Riquelme falou com exclusividade à ESPN (0:37)

O River Plate viverá mesmo uma situação complicada nesta quarta-feira. A Conmebol negou o pedido do time argentino de novas inscrições na Libertadores, e a equipe terá que entrar em campo diante do Santa Fe com um jogador de linha no gol e possivelmente ainda com um a menos.

Graças a um surto de COVID-19 no elenco, a equipe ficou sem nenhum goleiro disponível. O River tentou alegar que a posição tinha peculiaridades para convencer a Conmebol de liberar a inscrição de um goleiro fora do prazo, mas a entidade negou.

O problema começou antes do torneio ter início. O River resolveu usar apenas 32 das 50 vagas que tinha direito para inscrição de jogadores.

Só que a equipe vive um surto de COVID-19 no elenco desde a última sexta-feira. Dos 32 inscritos, sobraram apenas 10 jogadores disponíveis, sendo que nenhum deles é goleiro.

Para conseguir ter 11 jogadores em campo, o clube está cogitando a possibilidade de colocar em campo um jogador que se recupera de uma fratura no braço. Pinola está se recuperando da lesão e não foi liberado pelos médicos para o jogo contra o Boca, no sábado, mas há a esperança de que ele seja uma opção neste caso de emergência.

Enzo Pérez, que não tem COVID, foi descartado da partida por conta de uma lesão muscular.

Assim, Gallardo ficou com os seguintes 10 atletas à disposição: Jonatan Maidana, Milton Casco, Fabrizio Angileri, Tomás Lecanda, David Martínez, José Paradela, Enzo Pérez, Felipe Peña, Jorge Carrascal, Julián Álvarez e Agustín Fontana.

O regulamento da Conmebol diz que um time deve se apresentar para jogar se tiver pelo menos 7 jogadores disponíveis. Se isso não acontecer, o clube poderia enfrentar punições.