<
>

Esperança do Ceará superou infância humilde na roça e virou promessa do Flamengo antes de brilhar na Copa do Nordeste

Atacante do Ceará, que venceu a primeira partida da final contra o Bahia por 1 a 0 e busca o bicampeonato da Copa do Nordeste contra o Bahia, Felipe Vizeu teve uma infância humilde.

Final da Copa do Nordeste, Ceará x Bahia terá transmissão ao vivo do FOX Sports neste sábado (8), às 16; e o ESPN.com.br acompanhará a decisão em tempo real, com VÍDEOS de lances e gols.

Criado em Chiador, uma pequena cidade no interior de Minas Gerais, e trabalhava na roça junto a família antes de ser jogador.

"Eu morei em uma fazenda que ficava uns 7 km de distância para o centro. Lá eu trabalhei com meu pai na roça, na fazenda, mesmo sendo pequeno ainda. Ajudava a ordenhar vaca, cortar capim. É uma história bem grande mesmo de superação que a gente passou", contou, ao ESPN.com.br, em 2018.

Apaixonado por futebol desde menino, Vizeu andava de bicicleta junto com o irmão para o centro da cidade em uma escolinha de futsal.

"O professor dava o treino para a gente três vezes na semana, era muito importante pra mim, sempre foi o que quis fazer. Depois, me mudei pra Cabo Frio, joguei em alguns times de lá, até que apareceu a oportunidade através do senhor Carlos Marins de fazer um teste em Minas. Depois de uma competição muito boa que eu fiz pelo América-MG surgiu a oportunidade de ir jogar no Flamengo", recordou.

Aos 16 anos, o atacante chegou ao time da Gávea e virou um dos maiores destaques da base.

"Eu vivi muitos momentos felizes, um deles foi no meu segundo jogo com a camisa rubro-negra, logo assim que eu cheguei. Foi contra o Internacional pela Copa do Brasil Sub-17, eu tinha acabado de chegar. A gente tinha perdido o jogo de ida em Macaé por 1 a 0 e na volta vencemos por 2 a 1, onde eu fiz os dois gols do Flamengo. Foi um momento maravilhoso e muito marcante na minha carreira", recordou.

“Depois teve uma outra partida também pela Copa do Brasil Sub-17 no ano seguinte, contra o São Paulo, jogo de volta, na ida tínhamos perdido de 2 a 1. Na volta vencemos por 3 a 1 e novamente pude marcar duas vezes, um deles foi um dos mais bonitos da minha carreira. Dei três 'comes' no zagueiro, balancei pra lá e pra cá, foi um golaço de canhota”, contou.

Antes de subir aos profissionais, Vizeu também faturou a Copa São Paulo de futebol júnior de 2016 com o Flamengo ao derrotar o Corinthians nos pênaltis, sendo o vice-artilheiro do torneio com sete gols.

“Foram grandes jogos, fomos campeões, pude marcar muitos gols e ser eleito o melhor da competição. Claro que tiveram outros vários momentos bons, títulos conquistados, fui campeão da OPG Sub-20 com apenas 17 anos e fui campeão carioca também", relatou.

Do Fla para a Itália Depois da conquista da Copinha, Vizeu foi efetivado no elenco principal, no qual permaneceu por dois anos. Em 67 jogos pelo Flamengo, Vizeu anotou 20 gols e venceu o Campeonato Carioca de 2017.

"Fui muito bem recebido, tenho que agradecer muito também ao Mancuello, que é um grande amigo, me ajudou muito quando eu cheguei. Ele me dava muitos conselhos, sabia como era chegar no Flamengo, me acompanhou bastante quando eu atuava na base, e a gente acabou se apegando bastante.

Vendido para a Udinese por 6 milhões de euros, em um contrato de cinco temporadas, ele não conseguiu se firmar na Europa. Com isso, foi emprestado ao Grêmio em 2019, e no ano passado ao Akhmat Grozny. Na equipe russa, ele atuou em apenas sete partidas, fez um gol e encerrou o contrato em setembro.

Um mês depois foi contratado pelo Ceará. Desde então, foram 26 jogos e 6 gols marcados.


Entrevista publicada em setembro de 2018