<
>

Flamengo se apega a trunfo que faltou em time campeão da Libertadores de 2019 para amenizar altitude e travar 'blitz' da LDU

O Flamengo começou a Conmebol Libertadores da melhor forma possível, com duas vitórias em dois jogos. Agora, o time terá pela frente talvez o desafio mais complicado: a LDU e a altitude de 2850 metros de Quito, que travaram até o time campeão da América em 2019, mas que agora conta com um trunfo: o elenco.

Sim, a equipe carioca sofreu quando visitou o adversário desta terça-feira (4) há dois anos. Ao todo, seis titulares daquela derrota por 2 a 1 estarão em campo para a nova batalha: Diego Alves, Arão, Éverton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol. Diego, titular com Rogério Ceni, foi banco na época e acabou acionado na segunda etapa.

A primeira missão do Flamengo é evitar a blitz da LDU, forte no início de cada tempo. Em 2019, então comandado por Abel Braga, o time carioca surpreendeu logo na primeira parte dos 45 minutos iniciais, com o gol de Bruno aos 19 minutos. Mas um vacilo fez toda a estratégia ir para o fundo do poço. Everton Ribeiro teve uma chance na entrada na área, mas viu a bola passar raspando. E entra aí o segundo ponto crucial pra o Flamengo: não desperdiçar chances. Isso porque no último lance da primeira a LDU chegou ao empate com Anangonó, em vacilo total do setor defensivo.

Na segunda etapa, sem tantas opções para trocar durante o jogo, o Flamengo foi mais retraído e, sentindo os efeitos da altitude, viu a LDU pressionar e chegar à virada. E é isso que Rogério Ceni certamente trabalha para evitar a blitz do adversário no campo de defesa rubro-negro.

Se em 2019, o Flamengo apostou em dois volantes pegadores (Arão e Cuéllar), o atual treinador deve ir com proposta diferente. Com Arão na zaga, além de Diego e mais um volante. Enquanto João Gomes daria mais controle de bola ao time carioca, Hugo Moura ajudaria mais na bola aérea e nos chutes de longa distância, que foram escassos na última vez em Quito. A outra opção seria utilizar Arão no meio-campo, com Bruno Viana e Gustavo Henrique formando a zaga.

O Flamengo também tem como trunfo outro fator que faltou e muito em 2019: banco. Com três jogadores em grande momento (Vitinho, Michael e Pedro), Rogério Ceni tem as opções necessárias para rodar o setor ofensivo e dar mais gás ao time durante os 90 minutos. Pedro vem de um hat-trick contra o Volta Redonda, sendo dois gols com passes de Michael. Vitinho vem fazendo bom início de temporada e também é elogiado com frequência por Ceni.

Uma vitória na altitude praticamente encaminha a classificação rubro-negra, deixando a equipe cinco pontos à frente do segundo colocado e, no melhor cenário, a sete de um eventual terceiro de Vélez e La Calera empatarem nesta terça-feira, às 19h15. No entanto, uma derrota fará a equipe cair pra segundo e podendo ver chilenos e argentinos chegando perto em caso de vitória de qualquer um em campo.