<
>

Do retorno de Hazard a coincidências com único título: no que Real Madrid e Chelsea apostam para 1ª semi da Champions

play
Chelsea coloca Real Madrid 'na roda', mas Lucas Vázquez busca empate em simulação da Champions no Fifa (3:13)

Equipes se enfrentam neste terça pela semifinal, e o ESPN.com.br já fez sua simulação no Fifa (3:13)

Real Madrid e Chelsea se enfrentam nesta terça-feira (27) pela primeira partida das semifinais da Uefa Champions League e os dois times guardam superstições e ‘armas secretas’ para conseguirem vencer e alcançar a decisão do torneio europeu.

No lado merengue, a famosa lei do ex pode entrar em ação, com Eden Hazard relacionado e podendo voltar aos gramados contra sua antiga equipe. Sua fase pelos blancos, porém, não é animadora.

Acumulado lesões desde que foi contratado, em julho de 2019, o belga atuou em somente 15 partidas na atual temporada, com três gols marcados. Suas atuações têm passado longe de impressionar como acontecia no Stamford Bridge.

Pelos Blues, entre 2012 e 2019, Hazard atuou em 352 jogos e marcou 110 gols, com duas Premier League, uma Copa da Inglaterra e uma Copa da Liga Inglesa, além das Europa League de 2013 e 2019. Na final desta última conquista, o agora camisa 7 merengue marcou dois gols em uma partida pela última vez.

No lado do time londrino, as coincidências são muitas e podem agradar o torcedor. A começar pela campanha parecida com a vencedora em 2012. A começar pela troca de treinador durante a temporada. Se hoje Tuchel chegou para substituir Lampard, André Villas-Boas foi mandado embora àquela época para chegar Roberto di Matteo.

No mata-mata, o time eliminou um português nas quartas de final das duas edições, com o Porto esse ano e o Benfica em 2011/12, além de estar enfrentando um espanhol nas semifinais, tal qual quando encarou o Barcelona.

Além dessas coincidências, o retrospecto de seu treinador contra espanhóis ajuda, com três vitórias e três empates em seis partidas, tendo ficado na frente do Real Madrid na fase de grupos com Borussia Dortmund e Paris Saint-Germain.

O Chelsea ainda pode se vangloriar de ter o time merengue como um freguês histórico. Em partidas oficiais, o time inglês só encarou o espanhol antes da chegada do aporte financeiro de Roman Abramovich e em decisões europeias.

Em 1971, na Recopa Europeia, foram dois jogos em Atenas. Depois do empate em 1 a 1, os Blues venceram por 2 a 1 o replay para ficar com a taça. Em 1998, o grande time de Zola e cia. viu Poyet marcar o gol da vitória por 1 a 0, em Mônaco, que deu a Supercopa para os ingleses.