<
>

Zidane 'joga bomba' para presidente do Real Madrid e se recusa a falar de Superliga: 'Não é meu trabalho'

play
Superliga: saiba o que é e entenda a 'guerra' que tomou conta dos bastidores do futebol europeu (1:31)

O novo torneio recebeu, antes mesmo da confirmação, uma resposta dura da Uefa, em parceria com Premier League, LaLiga e Serie A, que, na véspera do anúncio de novidades na Champions, ameaçou clubes e até jogadores que fizerem parte da iniciativa. (1:31)

O anúncio da Superliga com gigantes da Europa segue movimentando opiniões fortes no Velho Continente, com defensores e posições contrárias. Há também quem prefira se manter distante dos debates públicos sobre o tema.

Questionado sobre o que pensa a respeito da competição, Zinedine Zidane preferiu se esquivar. Para o técnico do Real Madrid, as opiniões no clube devem partir apenas do presidente Florentino Perez.

“É uma questão do presidente. Todo mundo tem sua opinião, mas eu conheço o jogo. Não estou aqui para falar sobre isso. Não é meu trabalho”, disse o treinador.

“Não vou dar a minha opinião sobre a Superliga. Podem dizer que não me exponho, mas é verdade. Meu trabalho é o que eu faço: o jogo de amanhã. O resto posso dizer, comentar, mas é inútil”.

play
1:31

Superliga: saiba o que é e entenda a 'guerra' que tomou conta dos bastidores do futebol europeu

O novo torneio recebeu, antes mesmo da confirmação, uma resposta dura da Uefa, em parceria com Premier League, LaLiga e Serie A, que, na véspera do anúncio de novidades na Champions, ameaçou clubes e até jogadores que fizerem parte da iniciativa.

Na última segunda-feira (19), o presidente do Real Madrid, Florentino Perez, deu uma forte entrevista ao programa El Chiringuito de Jugones, muito famoso na Espanha. Essa foi a primeira vez em oito anos que o cartola aceitou o convite e participou.

Com apenas um grande assunto em pauta, a Superliga, Perez obviamente foi muito questionado sobre a Uefa Champions League, que vive grande incógnita no momento por causa da criação do novo campeonato.

“Perdeu-se o interesse pela Champions. É atrativo a partir das quartas de final. A vida mudou. Chegam novas gerações e temos que responder no futebol. Se seguimos com a Champions cada vez haverá menos interesse. E esse novo formato para 2024 é uma coisa absurda. Até lá estaremos mortos”, disse enfaticamente o presidente, se referindo à revolução que a Champions pretende botar em ação.

Apesar de defender ferrenhamente seu lado na 'guerra' entre Superliga e Uefa, o cartola garante que o Real não será eliminado da atual edição da Champions.

Entre os quatro semifinalistas, três (Real Madrid, Manchester City e Chelsea) estão na nova Superliga, e logo surgiu a discussão se essas equipes seriam punidas e automaticamente colocadas para fora do torneio. De acordo com o dirigente, isso não tem como acontecer.

“O Real Madrid não será expulso nem da Champions nem de LaLiga. Não vai acontecer porque não vai acontecer. É impossível. A lei nos protege. Os jogadores podem ficar tranquilos. Não serão punidos sem jogar pelas seleções. A Uefa não tem que ameaçar, tem que conversar”.

O Real Madrid é o maior campeão da história da Champions League, com 13.