<
>

Copa do Nordeste: Felipe Alves, do Fortaleza, foi atacante antes de encantar Rogério Ceni e Fernando Diniz

Conhecido por sua calma mesmo em situações adversas, Felipe Alves é um dos goleiros que melhor joga com os pés no futebol brasileiro. Há três anos no Fortaleza, ele virou um dos pilares da equipe que busca uma vaga na semifinal da Copa do Nordeste.

O FOX Sports transmite Fortaleza x CSA-AL ao vivo, no sábado (17), a partir das 16h (horário de Brasília).

Antes de se destacar debaixo das traves, porém, o arqueiro de 32 anos atuava em outra posição.

"Na verdade, eu jogava na linha quando era moleque. Gostava de chutar e fazer gols, era fominha até, mas bom de bola (risos). Mas aí quis ir para a escolinha que meus amigos jogavam, só que não tinha dinheiro na época. Como quem jogava no gol não pagava, topei ser goleiro. No final das contas, acabei pegando gosto pela coisa e virei goleiro. Aí eu só tinha que arcar com o dinheiro da condução", revelou, em entrevista à Rádio ESPN, em 2015.

Revelado no Paulista de Jundiaí em 2009, Felipe viu sua vida mudar ao conhecer o técnico Fernando Diniz. O goleiro virou peça-chave no esquema tático montado pelo treinador no clube do interior. Com muita habilidade e passes precisos, algumas vezes ele chegou a aplicar chapéus em atacantes adversários dentro da própria área para não precisar dar chutões.

Em seguida, Diniz o levou para o Atlético Sorocaba, onde conseguiram o acesso para a Série A1 de 2012, Osasco Audax-SP (sendo vice-campeão do Paulista), Paraná, Guaratinguetá, Oeste e Athletico-PR.

"Ele não aceita erros bobos e em passes curtos. Exige 100% sempre, porque, na visão dele, atleta de alto rendimento tem que ser exigido assim. E isso melhora nosso time. Pra quem vê de fora, pode parecer loucura sair tocando a bola, mas tudo é trabalhado, a gente treina exaustivamente durante a semana. Então, quando a gente acerta, não é por sorta, porque 'acharam' um cara livre. É tudo treinado. Fica até bonito, porque todo mundo roda e o adversário acaba ficando no bobo", comentou à época.

No "Furacão" venceu a Copa Sul-Americana, mas não conseguiu ser titular absoluto após a saída de Diniz e por causa da ótima fase vivida pelo goleiro Santos. Em 2019, Felipe foi contratado a pedido do técnico Rogério Ceni para o Fortaleza.

Depois de alguns meses, o arqueiro conquistou seu espaço e colocou o ídolo tricolor Marcelo Boeck no banco de reservas porque seu estilo de jogo casava melhor com as ideias de Ceni.

Felipe está sempre entre os goleiros da Série A do Brasileiro que mais participam do jogo, com passes, lançamentos, e viradas de jogo. Além disso, é um dos líderes em defesas difíceis e que mais defenderam pênaltis, quatro no total.

Apelidado pelos torcedores do Fortaleza de "homem de gelo" pela maneira como reage nos principais momentos da partida, Felipe está sempre com a cara fechada e um semblante tranquilo. Até mesmo em momentos de euforia, como a conquista de um título ou de um pênalti defendido.

Essa calma foi demonstrada, inclusive, quando viveu um dos momentos mais complicados da vida, em março de 2021. Logo após saber da morte do pai, Maurício de Jesus Raymundo, causada pela COVID-19, o goleiro optou por entrar em campo no Clássico-Rei contra o Ceará. Apesar disso, fez defesas importantes e foi um dos melhores jogadores em campo no empate sem gols contra o rival.

Quando ainda jogava Audax, em 2015, Felipe fez uma previsão que se mostrou certeira.

"Não sei em quanto tempo, mas acredito que, num futuro bem próximo, o goleiro que não souber ao menos tocar uma bola vai se dar mal. Não precisa dar drible, lógico, mas pelo menos acertar os passes. Todo goleiro vai ter que saber fazer isso. Já começou agora com o Neuer, que joga de líbero, e só vai aumentar", opina.