<
>

Beccacece vê Defensa superior ao Palmeiras e exalta: 'Custa muito para os pequenos chegar aqui'

play
Após segundo vice seguido do Palmeiras, Marcelinho Carioca não perdoa e provoca: 'O raio cai no mesmo lugar' (0:15)

Ídolo do Corinthians tirou onda com os rivais após derrota para o Defensa y Justicia (0:15)

O Defensa y Justicia conseguiu superar o Palmeiras na disputa de pênaltis e se sagrar campeão da Recopa Sul-Americana. Depois da partida, Sebastián Beccacece, campeão pela primeira vez como treinador, falou da superioridade da sua equipe, principalmente na primeira partida, e exaltou o trabalho feito pelo clube.

“Quando acabou a partida, nós ficamos com a sensação de que tínhamos sido superiores no jogo, na proposta. Mas o resultado não foi favorável, tentamos focar na sensação de que fomos protagonistas, de que tínhamos claras intenções de fazer algo histórico, como fez esse grupo. Eu agradeço enormemente, por como convivem, como compartilham as coisas, como conseguem essas coisas, é um motivo de orgulho. Fico muito feliz por eles, pela nossa gente, que muitas vezes sofre, trabalha”, disse.

“E que esse grupo siga pensando que tudo é possível, com muito trabalho, dedicação. É algo muito inspirador para esses jovens. Isso é algo que vem sendo construído há muito tempo. Me lembrei de muitos jogadores que passaram por esse projeto, não posso nomear todos, seria injusto. Conseguimos competir na Libertadores, na Sul-Americana e, hoje, confirmamos isso. É algo muito valioso, porque custa muito para os clubes pequenos, humildes, que fazer um esforço notável para chegar a essa altura”, completou.

O treinador, que por muito tempo foi conhecido por ter trabalhado ao lado de Jorge Sampaoli no início de sua carreira, está em sua segunda passagem pelo clube depois de idas para Avellaneda, onde comandou Independiente e Racing.

O comandante, perguntado sobre o que o Defensa poderá mostrar na disputa da Conmebol Libertadores que se inicia na próxima semana, voltou a elogiar seu elenco e a ‘fome’ que o mesmo possui em grandes disputas.

“Nós temos uma competição muito difícil, rivais complicados, um plantel reduzido, mas com um coração enorme. E assim vamos vivendo no dia a dia. Somos consciente de alguns fatores que não temos excesso. O que temos em excesso é fome. É nosso alimento, nos indica o caminho. Gostamos da exigência, do trabalho, da disciplina, das responsabilidades, dos compromissos”, finalizou.