<
>

Gustavo Gómez revela o que Abel Ferreira falou logo que chegou ao Palmeiras: 'Não sou o Guardiola'

play
No Resenha, Gustavo Gómez revela o que ele e Abel pensam sobre saída de bola sem chutão no Palmeiras (1:44)

Zagueiro do Palmeiras é o convidado da semana de André Plihal, no Resenha ESPN (1:44)

Zagueiro, capitão e um dos principais nomes do Palmeiras super-campeão de 2020, Gustavo Gómez é o convidado do Resenha ESPN desta semana. No programa que vai ao ar na madrugada deste sábado, a partir de 0h30 (de Brasília), na ESPN Brasil, o zagueiro dividiu histórias do Verdão, entre elas a chegada do técnico Abel Ferreira.

O português deixou o PAOK, da Grécia, e desembarcou no Brasil para assumir o Palmeiras no início de novembro. Em menos de seis meses, já levantou dois títulos (Conmebol Libertadores e Copa do Brasil) e decide outros dois (Supercopa do Brasil e Recopa Sul-Americana) na próxima semana.

É inegável que Abel já caiu nas graças palmeirenses, mas o técnico avisou, logo em seu primeiro contato com o elenco, o que tinha condições de exigir dos jogadores e o que não pediria.

"Um zagueiro tem que perceber quando pode sair jogando. Depende do adversário, também. Eu lembro quando o professor Abel Ferreira chegou e falou: ‘Eu não sou Guardiola, eu sei minha capacidade, não vou pedir para sair jogando’", lembrou Gómez, titular antes e durante a atual passagem de Abel pelo clube.

play
1:36

Sormani detona 'futebol raquítico' do Palmeiras: 'Não está no nível do Flamengo'

No BB Debate, Fábio Sormani afirmou que o Rubro-Negro está muito acima de todos os times brasileiros

Além dos títulos sob comando do português, Gómez conquistou também o Brasileirão de 2018 e o Campeonato Paulista de 2020, além de estar no top 10 de zagueiros-artilheiros da história alviverde, com 15 gols. Totalmente identificado com o clube, ele prefere manter o estilo simples e evitar riscos.

"Quando um zagueiro tem que arriscar, ele sabe o momento. Quando você toma a decisão se você tem que dar um passe pela lateral ou por dentro, você tem que saber o momento. Eu sou assim, sou um zagueiro normal, simples. Gosto de primeiro defender, porque meu trabalho é defender. Depois, dar um passe firme, um passe bom. Sempre olhar para a opção da frente, mas tem que jogar simples e seguro", disse.

"Depende também do adversário, né. Quando você joga em casa, a tendência sempre é de ter a bola, de atacar, principalmente com time grande como o Palmeiras. Jogando em casa você tem que ter naturalmente mais responsabilidade pra jogar".