<
>

'Responsável desde cedo', Marcos Antônio é uma das esperanças do Shakhtar contra a Roma

play
Maycon vê derrota 'muito dura' para Inter de Milão na Europa League como página virada: 'Colocamos um ponto final' (1:37)

Volante brasileiro falou com exclusividade ao ESPN.com.br antes do confronto entre Roma x Shakhtar Donetsk pela Europa League (1:37)

As oitavas da Europa League se iniciam nesta quinta-feira (11) e um dos grandes confrontos coloca frente a frente Roma e Shakhtar Donetsk, no estádio Olímpico, a partir das 16h45 com transmissão ao vivo e exclusiva da ESPN e do ESPN App.

Dentro da legião de brasileiros na equipe ucraniana, o meia Marcos Antônio é um dos destaques. Aos 20 anos, o jovem demonstra grande maturidade dentro da criação do time de Luís Castro. E esse perfil não vem de hoje.

“Sempre fui muito responsável, desde cedo comecei a jogar futebol e entendia que isso era um compromisso muito grande. Minha família sempre me apoiou muito, meus pais me ensinaram bons valores e eu procuro levar isso adiante. Agora já sou pai, tenho a minha família e pretendo repassar esses mesmos ensinamentos ao meu filho”, disse em entrevista ao ESPN.com.br.

Apesar de estar na Europa League, atualmente, o Shakhtar começou a temporada na Uefa Champions League. E, na fase de grupos, o time conquistou duas vitórias em cima do todo poderoso Real Madrid. Segundo Marcos, os dois jogos são uma motivação para o time.

“As vitórias contra o Real Madrid foram deram uma injeção de ânimo muito grande na equipe, afinal, não era qualquer clube. Vencemos as duas partidas e tivemos atuações muito boas”, apontou.

“Relembrar aqueles jogos ajuda a nos motivar para os próximos desafios que virão. Lembramos daqueles confrontos com muito orgulho e queremos repetir aquelas grandes atuações, estamos trabalhando forte para isso”, completou.

Este será mais um encontro do Shakhtar com times italianos. Desde o início da última temporada, será o sexto confronto, sendo dois contra a Atalanta e três contra a Inter de Milão. O time, porém, venceu somente uma.

Marcos ignora o retrospecto contra essas equipes, mas coloca a metodologia italiana como um aprendizado novo para o time ucraniano.

“Eles têm outra metodologia de futebol, é uma escola diferente. Sempre que podemos, aprendemos algo novo com o adversário, como se defender contra ele, qual a melhor forma de atacar e surpreender”, finalizou.