<
>

Pedro revela forte trabalho psicológico para ficar bem no Flamengo e admite: 'Foi difícil'

Tido como um dos melhores centroavantes do Brasil dos últimos anos, Pedro segue sendo reserva na equipe do Flamengo.

O atacante explicou como tem sido a rotina de entrar em campo praticamente em todas as partidas, mas de ter poucos minutos para mostrar o futebol e, principalmente, marcar gols. E até trabalho psicológico foi feito para lidar bem com a situação contou o centroavante, em entrevista ao globoesporte.com.

"Dentro do tempo que tive em campo, acredito que tenha sido uma boa temporada. Mesmo com a minutagem baixa, consegui aproveitar bem as oportunidades. Tive que trabalhar muito o meu psicológico para poder aproveitar os minutos em que entrava. Não foi fácil, confesso. Requer ainda mais concentração e pontaria. Fazendo um balanço como um todo, acredito que contribui muito e em momentos decisivos para a equipe. Que 2021 seja ainda melhor", contou o centroavante.

Pedro anotou 23 gols ao longo da temporada 2020 e não foi utilizado por Jorge Jesus, Domènec Torrent e Rogerio Ceni em apenas nove partidas durante o último ano. Grande partida da torcida do Flamengo pede incessantemente que Pedro atue ao lado de Gabriel Barbosa no ataque. O centroavante gosta da ideia e se coloca à disposição do treinador.

"Eu vejo com os melhores olhos possíveis. Nós somos jogadores de características diferentes. Gabi mais de mobilidade, eu mais de área e pivô. Se o Rogério quiser, estaremos preparados para atendê-lo. Treinamos algumas vezes juntos e acredito que a resposta foi boa. Eu, Gabi e Rogério já conversamos muito sobre isso. Ele procura sempre nos passar o que precisamos fazer em caso de estarmos juntos em campo".

Após uma temporada turbulenta, com eliminações na Conmebol Libertadores e na Copa do Brasil, o Flamengo ainda encerrou o ano de 2020 com quatro títulos: Campeonato Carioca, Recopa Sul-Americana, Supercopa do Brasil e o Campeonato Brasileiro.

Mesmo com a derrota por 2 a 1 para o São Paulo, no Morumbi, o Rubro-Negro ficou com o bicampeonato nacional graças ao empate em 0 a 0 entre Internacional e Corinthians. O centroavante contou como foram os quase dois dias de comemoração do título nacional e sonha com novas conquistas com a camisa do Flamengo.

"Foram 48h praticamente sem dormir. É uma sensação que não consigo descrever. Estava na arquibancada em 2009 e 12 anos depois comemorando em campo, sendo importante em muitos jogos. Sem clichê, um sonho realizado. Eu ainda estou em êxtase. Espero que a gente possa manter essa sequência de conquistas nessa temporada. O nosso elenco é movido a títulos".