<
>

Como jogo de 'fantasy' abriu crise na Premier League e incomoda até Guardiola

Jack Grealish, astro do Aston Villa, seria desfalque da partida contra o Leicester City no último domingo, pela Premier League. Algo normal se a informação não tivesse vazado antes de se tornar oficial por causa de um jogo de “fantasy”.

O game, no qual os jogadores da vida real somam ponto para os times em que são escalados online de acordo com seu desempenho, é jogado por membros do Aston Villa, que acabaram dando um indicativo da ausência de Grealish.

É que o principal nome do time foi tirado das escalações de alguns de seus companheiros antes da rodada, o que gerou a suspeita de algum problema. Agora, o Aston Villa abriu até uma investigação interna para apurar o caso.

Outra medida foi orientar todos os jogadores do elenco para que parem de jogar o fantasy da Premier League. Mas a questão já foi além do clube que é oitavo colocado do Inglês.

Pep Guardiola, técnico do Manchester City, em preparação para o jogo das oitavas de final da Uefa Champions League, contra o Borussia Monchengladbach, opinou sobre o assunto. E foi enfático.

"Eu sei que os atletas jogam esses jogos, mas não sei o que um fantasy de futebol é. Nunca joguei, ouvi pela primeira vez nas manchetes. Não sei o que é", afirmou.

"Às vezes, há uma escolha (na escalação), e jogadores são amigos de jogadores de outros times, e eles conversam. Às vezes acontece. É antiético e pouco profissional, mas acontece", criticou.

Além de jogadores do Aston Villa, integrantes da comissão técnica do clube também tiraram Grealish de seus times no fantasy no último fim de semana.

Sem o jogador, o Aston Villa acabou derrotado pelo Leicester, atual terceiro colocado da Premier League, por 2 a 1.