<
>

São Paulo: Muricy diz ter ótima relação com Crespo e elogia: 'É preparado, trabalhou na Europa'

play
Interino do São Paulo, Vizolli admite que críticas da torcida são justas (0:42)

Time tricolor foi derrotado pelo Botafogo na última segunda-feira (0:42)

Em entrevista à TV Gazeta, na porta do CT do São Paulo (leia a conversa completa abaixo), o coordenador de futebol Muricy Ramalho disse ter ótima relação com Hernán Crespo, novo treinador tricolor, e disse que o argentino lhe dá total abertura para conversas sobre todos os temas importantes para a equipe.

Além disso, o dirigente elogiou bastante o estrangeiro, citando seu trabalho no Modena, da Itália, e ressaltando que o técnico chegou com "fome" de vencer ao futebol brasileiro.

"Eu converso demais com ele. O importante é que ele me dá abertura. Porque é o seguinte: eu, como já fui treinador, eu tenho que chegar com calma com os treinadores, porque não é minha função mais. Minha função é ajudar o treinador, dar apoio para ele. (Treinar o time) Não é mais minha função. Agora, ele me dá muita oportunidade para falar de futebol com ele", afirmou.

"Ele pede para mim. Em termos táticos, em termos de jogador, em termos de futebol brasileiro, pois claro que eu conheço mais do que ele. Então, esta que está sendo a boa. Eu converso com ele todos os dias, hoje fiquei conversando um tempão com ele, em Cotia ontem também. Mas isso porque ele me deu oportunidade, pois se o treinador não me dá oportunidade, eu não falo. Eu não procuro treinador e falo 'faz isso, faz aquilo', porque não é problema meu, não é minha área", seguiu.

"Mas o Crespo... E outra, o mais legal dele, e isso ele mostrou na videoconferência, é que ele está com 'fome'. Ele é um cara que está no começo da carreira. É da nova geração, ele que ganhar, sabe? Está com muita vontade. E outra: é um cara preparado. Já trabalhou na Europa", complementou.

Muricy também confirmou que teve participação decisiva na decisão de contratar Crespo e brincou quando questionado se seria verdade que ele teria sido apenas comunicado da decisão da diretoria de assinar com o argentino.

"Você acha que eu vim fazer o que aqui, cara? (risos) A única coisa que eles me contrataram é pra isso... Pra eu falar de técnicos e jogadores. Eu conversei muito com ele (Crespo), a videoconferência passou por mim, é claro. Senão não tem necessidade (de estar trabalhando no São Paulo). Primeiro que eu não ia aceitar isso, né? Você me conhece, eu tenho que ter autonomia", lembrou.

"Eu entrevistei acho que 10 técnicos por videoconferência. E caras bons, hein? Não é cara mais ou menos não! Mas aí nós chegamos no Crespo, pelo que ele pensa de futebol, por tudo, comissão técnica", explicou.

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA DE MURICY

Muricy: O que vocês estão fazendo aqui?

Repórter: Estamos fazendo ao vivo para a Gazeta Esportiva.

Muricy: E a pandemia?

Repórter: Estamos de máscara e com distanciamento social!

Muricy: Ah, tá.

Repórter: Tudo bem, Muricy? Mais ou menos, né?

Muricy: É... Pouco a pouco a gente vai... Não é fácil o que a gente encontrou, mas a gente, realmente, com bastante trabalho a gente ajeita a casa. Com certeza, não tenha dúvida.

Repórter: Uma 'bucha' para você: teve seu dedo na chegada do Crespo ou você foi só informado de que ele viria?

Muricy: Não tem chance, né... Você acha que eu vim fazer o que aqui, cara? (risos)

Repórter: Por isso estou te perguntando!

Muricy: A única coisa que eles me contrataram é pra isso... Pra eu falar de técnicos e jogadores. Eu conversei muito com ele (Crespo), a videoconferência passou por mim, é claro. Senão não tem necessidade (de estar trabalhando no São Paulo). Primeiro que eu não ia aceitar isso, né? Você me conhece, eu tenho que ter autonomia.

Repórter: Eu perguntei para acabar com o 'zum-zum-zum', porque boatos vão pintando... 'Ah, o Muricy foi só informado'. Deixa eu passar a bola para o Muller para ele tabelar um pouquinho com você, Muricy. De craque para craque, de ponta para meia-direita.

Muricy: E aí, Muller, tá legal?

Muller: Mura, eu como são-paulino, estou indignado com o time. Perder para o Botafogo, que foi rebaixado na 34ª rodada, para mim é uma vergonha, até porque o São Paulo é muito mais time do que o Botafogo, e o Botafogo caiu para a 2ª divisão. Quantos jogadores você acha que a gente tem que contratar? Eu digo 'a gente' porque sou são-paulino. Eu acho que o Reinaldo precisa de uma 'sombra', ele é bom jogador, mas precisa de uma 'sombra'. Acho que o São Paulo não tem um meia de ligação, nunca teve.

Muricy: Precisa de um (camisa) 9 também, né?

Muller: Exatamente.

Muricy: Eu acho o seguinte: na lateral, nós temos um moleque aí que eu acho que vai surpreender. É o Wellington, é da base e ele e nós estamos preparando.

Muller: Moleque rápido?

Muricy: Acho que chegou a vez dele agora. Ele tem chance de jogar. Não estou me antecipando, porque eu não escalo o time, mas tem chance de jogar.

Muller: No Paulistão ele vai jogar?

Muricy: Ele pode jogar até agora (quinta-feira, contra o Flamengo, pelo Brasileiro), eu acho, porque o Reinaldo (está suspenso)... Estou dando um palpite aqui.

Muller: Porque o Reinaldo foi expulso e o Léo Pelé levou o 3º cartão (amarelo), né?

Muricy: Isso, tem um expulso e um com 3º cartão. Então, é possível acontecer (Wellington jogar). É um garoto que a gente está levando muita fé nele, já há algum tempo. Acho que a gente precisa (de reforços) nas três áreas. Um atrás, um no meio-campo, um atacante, um (camisa) 10 que pensa jogo... Não é difícil. O que acontece é que nossa parte econômica está complicada. Cara, a gente encontrou um negócio difícil, entendeu? Mas a gente está trabalhando demais. A gente vem aqui, se reúne, fala com o Crespo toda hora. Ele veio para conhecer (o CT de) Cotia ontem. Eu fico conversando demais com ele. É até estranho, porque me falaram que ele teria ficado indignado porque falaram que ele veio sem meu pedido e colocaram até o Zetti no meio, que não contrataram o Zetti ainda... Acontece que isso é um projeto que eles têm lá em Cotia, não é comigo.

Muller: Lá é outra coisa.

Muricy: É outra coisa, não tem nada a ver. Mas vocês me conhecem. Não ia entrar aqui (no São Paulo) um treinador sem eu dar minha opinião, porque eu fui contratado para isso. Nós vamos ter que trabalhar muito, cara, e com pouco dinheiro. O São Paulo está numa situação complicadíssima no aspecto financeiro.

Muller: Até porque o Crespo não conhece o futebol brasileiro, né, Muricy? Aí você tem que dar as dicas para ele.

Muricy: Eu converso demais com ele. O importante é que ele me dá abertura. Porque é o seguinte: eu, como já fui treinador, eu tenho que chegar com calma com os treinadores, porque não é minha função mais. Minha função é ajudar o treinador, dar apoio para ele. (Treinar o time) Não é mais minha função. Agora, ele me dá muita oportunidade para falar de futebol com ele. Ele pede para mim. Em termos táticos, em termos de jogador, em termos de futebol brasileiro, pois claro que eu conheço mais do que ele. Então, esta que está sendo a boa. Eu converso com ele todos os dias, hoje fiquei conversando um tempão com ele, em Cotia ontem também. Mas isso porque ele me deu oportunidade, pois se o treinador não me dá oportunidade, eu não falo. Eu não procuro treinador e falo 'faz isso, faz aquilo', porque não é problema meu, não é minha área. Mas o Crespo... E outra, o mais legal dele, e isso ele mostrou na videoconferência, é que ele está com 'fome'. Ele é um cara que está no começo da carreira.

Muller: É da nova geração, né?

Muricy: É da nova geração, ele que ganhar, sabe? Está com muita vontade. E outra: é um cara preparado. Já trabalhou na Europa.

Muller: Muricy, na sua opinião, como um vencedor no São Paulo como treinador e jogador, qual o maior desafio do São Paulo: se desfazer de muitas jogadores que tem na folha (salarial) ou contratar o que está precisando?

Muricy: (Risos) Muller, as duas coisas estão juntas... Não é fácil, cara. Não é que estou reclamando ou criticando alguém do passado, mas não é fácil a situação... É dificílima para nós. Agora, a gente vai ter que ser muito criativo, mas ao mesmo tempo, é como eu falei para a diretoria: a gente não veio aqui para ser mais um. Eu estava morando na praia, sossegado, e não vim aqui de graça. Eu vim aqui para ganhar. Então, o São Paulo está numa situação complicada, mas nós vamos ter que investir em alguma coisa. Vamos ter que ser muito criativos.

Muller: Seletivos, né?

Muricy: Claro! A gente está buscando... É o mesmo que a gente fez com os técnicos. Para você ter ideia, Muller, eu entrevistei acho que 10 técnicos por videoconferência. E cara bom, hein? Não é cara mais ou menos não! Mas aí nós chegamos no Crespo, pelo que ele pensa de futebol, por tudo, comissão técnica. E jogador nós estamos fazendo igual. Nós não podemos errar em (contratação de) jogador. O grande problema é esse.

Repórter: O Daniel (Alves) vai ficar?

Muricy: O Daniel é importante demais para a gente. Ele é muito importante. Mas claro que tem que ter o acerto financeiro que tem que ter com ele também, né? Porque a dificuldade é enorme. Mas é claro que ele é nosso líder do time, nosso capitão, o Crespo conta com ele, gosta dele. O importante é o técnico, não sou eu. Quem tem que gostar do jogador é o técnico, né? Então ele, com certeza, ele vai ajeitar. Agora, tudo depende das conversas, né?

Muller: Mura, o Hudson vai voltar?

Muricy: O Hudson está voltando de empréstimo, tem contrato.

Muller: O que você acha?

Muricy: O Hudson foi meu jogador, eu o trouxe do Botafogo-SP. E é o seguinte: a gente só tem um volante, que é o Luan. A gente não tem outro. Quando o Luan sai, a gente fica sem. Essa é a opção que eu dei para o Crespo também. E aí ele tem toda a liberdade para buscar alguém, porque ali (no meio-campo) a gente precisa de alguém. O Hudson é nosso. Então, vamos deixar ele voltar e aí resolver com o Crespo o que ele pensa.