<
>

Ex-presidente do Real Madrid revela como foi a surreal ligação na qual vendeu Robinho para o City

Em entrevista ao podcast "The Big Interview", do jornalista inglês Graham Hunter, o ex-presidente do Real Madrid Ramón Calderón revelou os bastidores da venda do atacante Robinho para o Manchester City, em setembro de 2008.

De acordo com o cartola, o brasileiro havia sido cortejado pelo Chelsea durante toda a janela de transferências, mas a negociação não foi finalizada.

Quando Calderón já não esperava mais negociar Robinho, seu telefone tocou de noite, perto do horário de fechamento do mercado, e ele mal conseguia acreditar no que estava ouvindo.

"É até engraçado lembrar. Eu recebi a ligação depois das 20h, na noite do fechamento da janela, e, do outro lado da linha, era alguém do City dizendo que queria comprar o Robinho", contou.

"Eu perguntei: 'Quanto vocês oferecem?'. A resposta: '35 milhões de euros'. Eu rebati: 'Não. Eu quero 40 milhões de euros'. E ele simplesmente me disse: 'OK!'", relatou.

"Simples assim, sem qualquer discussão! Imediatamente, eu vi que tinha uma oportunidade nas mãos. Falei: 'Que tal vocês também pagarem os 5% do mecanismo de solidariedade da Fifa', e eles responderam 'OK' novamente!", espantou-se.

"Eu não sou um megaempresário, mas eu sabia que estava representando meu clube, o Real Madrid. Então perguntei: 'Pagamento à vista?'. E eles disseram: 'Mas é claro!'. E eu fiquei ainda mais espantando, porque em qualquer negociação desse valor, normalmente o pagamento é parcelado", salientou.

E, assim, Robinho foi apresentado como novo jogador do City em 2 de setembro de 2008, ao lado do técnico Mark Hughes, que nem conseguia acreditar o atleta que era chamado pela imprensa inglesa de "novo Pelé".

A passagem do brasileiro por Manchester, porém, não foi das melhores. Durou cerca de uma temporada e meia, com 53 jogos e 6 gols marcados.

Em 2010, ele foi emprestado ao Santos e, após fazer sucesso ao lado de Neymar e Ganso, acabou negociado em definitivo com o Milan.