<
>

Ex-presidente do Santos revela que 'vendeu' Veríssimo em 2018 e diz que chance do Benfica é 'medíocre'

play
Cuca cita reforços do Boca para a semifinal e espera contar com Veríssimo e Luan Peres: 'Sem eles, a chance cai' (2:00)

'Eu não consigo ter a minha equipe na mão para trabalhar', disse o treinador do Santos, que enfrenta o Boca Juniors na quarta-feira, às 19h15 (de Brasília), pela semifinal da Libertadores (2:00)

Presidente impedido do Santos, José Carlos Peres classificou a proposta do Benfica pelo zagueiro Lucas Veríssimo, 25, como “medíocre, surreal”, em entrevista ao "Diário do Peixe, na última segunda-feira (28) à noite.

O clube português está de olho no defensor santista desde a última janela de transferências e a proposta mais recente corresponde a 6,5 milhões de euros (R$ 41,7 milhões) divididos em cinco parcelas por 100% dos direitos econômicos do jogador.

Não é só Peres que não gostou da oferta, Andrés Rueda, eleito para um mandato de três anos a partir de janeiro, também não concordou, tendo chamado a oferta de “insulto”. E o assunto já teve reprovação do Conselho Fiscal há dois dias.

O parecer do órgão é favorável a oferta feita pelo Al Nassr, da Arábia Saudita, de 6 milhões de dólares (R$ 31,4 milhões) em dois pagamentos. Ainda assim, o assunto será debatido pelo conselho deliberativo na próxima quinta (31).

Voltando a Peres, que deveria estar finalizando o mandato iniciado em 2018 mas sofreu um impeachment há dois meses, relembrou na entrevista outras negociações frustradas envolvendo Veríssimo com o mercado europeu.

A primeira delas teria sido com o Spartak Moscou, da Rússia, segundo o ex-presidente.

“Desde que eu entrei ele tinha essa vontade de ir embora para a Europa, que é um sonho. Vendemos ele em 2018, só que conclusão do negócio com os russos não aconteceu. Chamamos [Veríssimo], pedimos para ele subir a São Paulo, estávamos em cinco representantes do Comitê Gestor, e o russo falou que tinha a proposta assinada e falou para ele se continuava com a mesma intenção”, disse Peres.

“E ele [Veríssimo] disse que não foi ele que assinou. Começou uma discussão grande, o russo [do Spartak] ficou nervoso, estava tudo acertado, mas infelizmente deu problema e a culpa não foi nossa. Então, precisa ver os dois lados. O valor era de 7,5 milhões de euros limpos, [por] 80% do Santos. Acabou não dando negócio e a culpa não foi nossa”, completou Peres.

O ex-presidente também citou outra oportunidade de negociação. Dessa vez com clubes italianos.

“Teve outra oportunidade com o Torino, da Itália. Negociamos bastante, era uma sexta e no sábado o Torino contratou um jogador do Atlético-MG [Bremer]. Era uma proposta de 10 milhões de euros. Mas mais tarde recebi a proposta que nunca tinha visto. Também teve com os empresários dele. Vieram para uma reunião comigo e me ofereceram 6 milhões de euros, mas pra quem tinha tido uma proposta por 10, como eu ia vender por 6. Acho que era da Udinese ou da Lazio, não me lembro. Eu falei pelo menos uns 7,5 de euros limpos para o Santos. Com esse valor eu liquidava o transfer ban. Isso foi em setembro. E de repente veio o impeachment”, disse Peres.

Veríssimo deseja jogar na Europa e ficou fora da última partida do Santos. Rueda, que assumirá o clube em janeiro, prometeu favorecer a saída do jogador, mas não antes de o Santos concluir a participação na Libertadores. O time está na semifinal.