<
>

Botafogo: Díaz diz que time não aguenta mais que 45 minutos em alta intensidade

play
No Japão, Rafael Marques lamenta situação do Botafogo, fala em 'cânceres' no futebol e pede: 'Quem ama o clube, tente ajudar' (5:30)

Hoje no Ventforet Kofu, atacante falou com exclusividade sobre seu ex-clube (5:30)

O Botafogo não vence há nove partidas, sete delas no Campeonato Brasileiro. Na noite desta quarta-feira, o Alvinegro foi derrotado por 2 a 1 pelo Atlético-MG, em partida da 23ª rodada, em Belo Horizonte. Para o auxiliar Emiliano Díaz, uma das razões para as dificuldades em campo é a falta de condicionamento físico.

Ramón Díaz e seu filho Emiliano assumiram o Botafogo na semana passada e em três partidas acumulam três derrotas, todas pelo mesmo placar. Antes de encarar o Galo, o Fogão caiu diante de Red Bull Bragantino e Fortaleza. O novo treinador chegou com uma proposta de jogo que requer a equipe atuando em alta intensidade, mas está esbarrando na falta de preparo para isso.

“O que nós enxergamos é que não conseguimos ter mais de 45 minutos em alta intensidade. Fizemos 45 minutos bem (contra o Galo) e graças a Deus agora teremos 10 dias para trabalhar. Vamos cuidar do físico para que eles consigam manter o ritmo de jogo que queremos”, afirmou Emiliano à Botafogo TV após o duelo em BH.

Na partida desta quarta, o auxiliar optou por iniciar com Honda, Kalou, Bruno Nazário e Matheus Babi no banco de reservas.

“As alterações que fizemos foi pela parte física, jogamos em quase 72 horas e eles não iriam aguentar o ritmo. Falamos com eles de que jogariam 45 minutos, porque vínhamos com uma sequência de muitas lesões e no momento não podemos perder ninguém”, justificou.

A derrota agravou a situação do Botafogo na tabela, e elevou para 82% o risco de rebaixamento segundo o site “Infobola”, do matemático Tristão Garcia. Emiliano, que deve ganhar a companhia de seu pai na próxima semana, espera que o tempo até a próxima partida seja de muito trabalho. Ramón Díaz está afastado por problemas de saúde e deve retornar ao clube na segunda-feira.

“É momento de botar a cara para sair desse momento. Não há desculpas. É trabalhar, não há outra forma. A equipe rende esporadicamente e temos que trabalhar para a equipe render 70 minutos no seu nível para conseguir os resultados. Estamos em contato com Ramón constantemente”, concluiu.

Depois de enfrentar o líder Galo, o Botafogo terá outra pedreira pela frente. No dia 5, sábado, vai enfrentar o Flamengo, atual vice-líder do Brasileiro, no clássico carioca da 24ª rodada.