<
>

Lukaku escolhe entre Mbappé e Neymar, revela ídolo alternativo e se arrisca no espanhol; veja entrevista exclusiva

play
Mbappé ou Neymar? Lukaku 'quebra a cabeça' e até derruba câmera antes de escolher um dos dois (0:26)

"Nossa, cara...", belga pensou bastante antes de dar uma resposta (0:26)

A Bélgica vive um dos seus períodos mais empolgantes na história do futebol. Quadrifinalista da Copa do Mundo de 2014 e terceira colocada na de 2018, a seleção está no Final Four da Liga das Nações, é a atual líder do ranking da Fifa e uma das mais cotadas na disputa tanto da Eurocopa de 2021 quanto do Mundial de 2022. Tal cenário fez a atual geração ser chamada de ‘ouro’, algo que os atletas parecem evitar.

“Nós sabemos que somos um time talentoso, mas não nos chamamos de ‘geração de ouro’. Não damos nomes para nós mesmos. Nós somos um grupo de jogadores talentosos e sabemos que temos muitos jogadores neste time que podem não jogar às vezes, mas que jogariam em qualquer outro time. É bom estar nesse ambiente competitivo”, disse Romelu Lukaku em entrevista exclusiva à ESPN.

play
0:50

Lukaku, sobre Bélgica: 'Somos um time talentoso, mas não nos chamamos de "geração de ouro"'

Seleção está no Final Four da Liga das Nações e é líder do ranking da Fifa

O sucesso de uma nação com cerca de 11,5 milhões de habitantes tem em sua miscigenação um dos trunfos. Com jogadores de diferentes descendências – Lukaku, por exemplo, tem origem congolesa -, a geração dourada tem na verdade muitas cores.

“Se você olhar para o nosso time, somos um time cheio de diversidades. São várias etnias, vários tipos de vivência, e não importa o que aconteça, sempre estamos juntos. Nós tentamos mostrar à população belga que podemos nos unir mesmo tendo vivências diferentes, religiões diferentes, ainda assim podemos lutar juntos. Isso foi diferente em relação à Copa do Mundo no Brasil. Desta vez, nós pudemos ver o suporte, os vídeos e tudo mais. Até quando estávamos na Rússia, o suporte da torcida lá foi lindo. Tomara que possamos reviver esses momentos”, declarou o atacante.

Por falar nas diferentes origens, o atual técnico da seleção é um espanhol. Roberto Martínez assumiu o cargo depois da Eurocopa de 2016, em meio ao grande momento futebolístico do país, e conseguiu dois anos depois a melhor campanha da história da Bélgica em Copas.

“Quando ele veio, ele basicamente mudou o sistema de quatro defensores para três e buscou colocar o máximo de jogadores ofensivos possível, ele mudou o sistema. Fora do campo, ele não mudou muito, ele nos deu mais responsabilidade e liberdade”, disse o atacante, que também na seleção teve a chance de conviver com um dos seus ídolos. Conhecido por ser fã de Ronaldo e Adriano, Lukaku também teve um zagueiro como fonte de inspiração: Vincent Kompany.

“Nós temos a mesma história, e ele jogava no time que eu torcia quando era garoto. Quando o Vince apareceu, acho que foi em 2004, eu devia ter uns 12 anos na época, 11 ou 12 anos. Eu só queria ser como ele, mesmo ele sendo um zagueiro. Eu queria jogar no Anderlecht, jogar pelo time da cidade que eu amava e vencer títulos. Eu tinha essa coisa quando era pequeno”, declarou.

“Mesmo sendo jovem, eu sabia que se eu conseguisse melhorar, eu conseguiria fazer tudo que um atacante da história da Bélgica nunca fez. E isso era algo que eu tinha na cabeça: seja diferente, seja diferente dos atacantes que a Bélgica teve naquele tempo. Eu não olhava muito para os atacantes.”

play
1:50

Fã de Ronaldo e de... Lukaku revela 'ídolo alternativo' no futebol e explica: 'Eu só queria ser como ele'

Atacante concedeu entrevista exclusiva à ESPN

E Lukaku nem precisou olhar para os atacantes para se tornar o maior artilheiro da história da seleção belga, com 57 gols, e ser peça fundamental da geração mais talentosa do país. Mas quando ele teve de olhar – ou melhor – falar sobre atacantes na entrevista exclusiva, acabou ficando desconcertado.

Neymar ou Mbappé? “Nossa, cara...”, disse o atacante. A resposta só veio depois de segundos com as mãos na cabeça.

Cristiano Ronaldo ou Lionel Messi? “Meu Deus do céu!”.

play
3:28

Messi ou Ronaldo? Mbappé ou Neymar? Lukaku responde tudo de bate-pronto

Jogador ainda foi questionado sobre outros temas fora do futebol

A segurança só é maior ao falar em diferentes línguas, uma vez que se comunica em francês, italiano, holandês, inglês... Ao ser questionado para traduzir para português o jargão inglês no futebol “school boy defending” (defendendo como criança, em português), ele recorreu ao espanhol para dar sua resposta.

play
0:25

Tradutor Lukaku! Atacante é questionado a falar jargão futebolístico em português e recorre ao espanhol

"School boy defending" (defendendo como criança, em português) foi o termo que ele tinha que traduzir

Com o conhecimento de tantas línguas, a do futebol é certamente a que o jogador de 27 anos tem mais fluência. Prova disso são os 34 gols (em 51 jogos) que marcou em sua 2019-20, sua primeira temporada pela Inter de Milão, igualando o melhor desempenho de seu ídolo Ronaldo com a camisa nerazzurra. Na atual campanha, o belga consegue uma média superior ao somar nove tentos em dez partidas pelo clube.

Lukaku pode até querer evitar, mas faz parte, sim, de uma geração de ouro. E ele é um nomes mais brilhantes desta.