<
>

São Paulo: Raí chama gol anulado de 'absurdo', detona arbitragem no Ceará e fala em levar caso à Justiça

play
Raí diz que São Paulo vai 'fazer de tudo' para obter respostas sobre polêmica com VAR (0:34)

Dirigente do São Paulo comentou a polêmica do erro de direito no jogo com o Ceará (0:34)

Raí foi o primeiro a falar em entrevista após o empate por 1 a 1 do São Paulo com o Ceará, no Castelão, em partida atrasada do Campeonato Brasileiro. O tema da curta coletiva foi o gol anulado do Tricolor, de Pablo, após lance validado e depois corrigido pelo VAR.

O atacante anotou o segundo gol do São Paulo, em lance que apontou impedimento no primeiro momento da jogada, um cruzamento de Reinaldo cortado pela zaga do Vozão. Na sequência, Pablo, já em posição legal, aproveitou rebote e balançou as redes em Fortaleza.

O lance inicialmente foi anulado pela arbitragem de campo, que marcou impedimento de Pablo, mas depois validado pelo VAR. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães permitiu o recomeço da partida, mas, após o Ceará sair jogando, paralisou o jogo para nova revisão do árbitro de vídeo e anulou o gol.

"No jogo de hoje, a única certeza que a gente tem é que existiu um erro absurdo, um erro de direito, e que traz atrás disso todas as dúvidas do mundo. Então a gente vai buscar todos os questionamentos, todas as gravações, o que foi falado no VAR. E saber primeiro de tudo por que validou o gol, por que voltou atrás e por que decidiu ver novamente. E nesse período a partida reiniciou, o que é um erro de direito, um beabá do futebol, que acaba tirando a credibilidade da nossa arbitragem mais uma vez", disse Raí.

O cartola tricolor lembrou de outro lance que o São Paulo reclama até hoje: o gol anulado de Luciano, na derrota por 3 a 0 para o Atlético-MG, no Mineirão. Em posição legal, o camisa 11 tricolor abriu o placar em Belo Horizonte, mas a arbitragem invalidou por impedimento. Semanas depois, o chefe da Comissão da Arbitragem, Leonardo Gaciba, confirmou o erro.

"Queria lembrar que é o segundo erro absurdo, o primeiro já assumido, e o segundo vai ter que ser assumido. Vamos esgotar todas as possibilidades jurídicas. Primeiro a gente quer saber tudo que aconteceu, por que foi validado. Se foi validado, é por que não tinham dúvida. O que não tem dúvida é que eles voltaram atrás depois de recomeçar o jogo. Está na regra, é o beabá do futebol, que coloca em dúvida toda a partida", afirmou o cartola.

"São Paulo foi o único que teve dois erros absurdos, que não cabem nenhuma dúvida: um de direito e o outro reconhecido pela CBF e Comissão de Arbitragem. Como é um caso raro, não teve tempo de levantar as possibilidades jurídicas, mas São Paulo vai atrás. A gente quer esclarecer tudo que aconteceu e saber qual é a regra do jogo. O jogo em Minas estava 0 a 0, teve erro reconhecido, e o jogo não voltou atrás. E agora teve essa confusão toda. Esse absurdo é que a gente tem que buscar até a última instância, para saber o que a gente pode fazer", finalizou Raí.

Com o resultado, o São Paulo desperdiça a primeira chance de saltar à liderança do Campeonato Brasileiro, já que era uma das três partidas atrasadas que o clube tem a fazer (as outras são contra Goiás e Botafogo). O Tricolor está com 38 pontos, em terceiro lugar, atrás de Atlético-MG e Flamengo, e volta a campo no sábado para enfrentar o Bahia, em Salvador.