<
>

Técnico do River, Gallardo detona futebol argentino antes de Libertadores: 'Me dá pena'

play
Gallardo 'prodígio', planejamento e continuidade: como River absorveu derrota para o Fla em 2019 (4:09)

Gustavo Grossi, CEO do River Plate, conversou com Mauro Cezar Pereira e falou sobre a derrota para o Flamengo na final da Libertadores de 2019 (4:09)

Em preparação para o duelo contra o Athletico-PR pelas oitavas de final da Copa Libertadores, o técnico Marcelo Gallardo, do River Plate, detonou a organização e o nível do futebol argentino.

“Considero que há muito fio político, todo mundo joga para ver onde consegue vantagem. Se queremos um campeonato sério, temos que avaliar outras condições, ser sério e não apenas parecer sério. Deixamos dúvidas”, disse, durante a entrevista coletiva.

“Sinto pena do futebol argentino. Eu disse que estamos em decadência. Estamos em um processo em que você vê o que vê. Um jogo chato. É chato. Não há jogos divertidos. É um contexto feio sem público. O que queremos ser não somos na mensagem ou no pensamento. Todos nós estamos envolvidos. Se queremos algo melhor, temos que buscar algo melhor”, completou.

Gallardo fez um balanço sobre a organização no país em meio ao calendário caótico da temporada, ainda que os clubes argentinos tenham demorado mais a retomar as atividades. Mesmo assim, não ficaram livres de lesão por excesso de jogos e da COVID-19.

play
4:09

Gallardo 'prodígio', planejamento e continuidade: como River absorveu derrota para o Fla em 2019

Gustavo Grossi, CEO do River Plate, conversou com Mauro Cezar Pereira e falou sobre a derrota para o Flamengo na final da Libertadores de 2019

“Não podemos fingir que não está acontecendo nada. Entendo os interesses existentes. Os interesses econômicos, políticos. Mas o que não entendo é que existe uma vontade de evoluir e não estamos qualificados. É o país onde vivemos, parece que jogamos tudo para a frente e resolvemos da noite para o dia, ver que recepção tem. Se der certo jogamos fora e, se não, nada acontece”, disse.

Nesse sentido, respondeu o que pensa das equipes brasileiras, as primeiras a retomarem as atividades no continente e com mais de dois meses de vantagem física na preparação.

“Os brasileiros continuam sendo uma potência. Eles nos superam na economia. As equipes argentinas são competitivas e equiparamos forças. Do ponto de vista econômico, estamos em desvantagem em relação ao orçamento do futebol brasileiro. Equalizamos o mental, o emocional. Destacamos as coisas que o argentino tem quando se trata de jogar por coisas importantes”.

O River Plate encara o Athletico-PR na noite desta terça-feira (24), às 19h15 (de Brasília), na Arena da Baixada, em Curitiba. É o primeiro duelo pelas oitavas de final.