<
>

PSG é 'azarão' na Champions e já iguala número de derrotas da temporada passada inteira

Paris Saint-Germain e RB Leipzig definiram um finalista da Champions League passada, mas nesta edição se encontraram bem mais cedo, logo na fase de grupos. Porém, isso não significa que eles não irão a fazer um jogo de caráter decisivo.

As duas equipes ficam frente a frente nesta terça-feira no Parque dos Príncipes, pela quarta rodada do grupo H. Os alemães possuem seis pontos, assim como o Manchester United; os franceses têm três unidades, da mesma forma que o Istanbul Basaksehir.

Uma derrota pode colocar o time parisiense muito perto da eliminação. Aliás, no momento, virou ‘azarão’ quanto a uma classificação, segundo o FiveThirtyEight, site parceiro da ESPN que usa uma série de combinações matemáticas para calcular as probabilidades jogo a jogo. O PSG tem atualmente 43% de chances de se classificar às oitavas de final, ficando atrás de Manchester United (82%) e RB Leipzig (74%) – o Istanbul Basaksehir tem 2%.

Outros números, aliás, também ajudam a entender o quão abaixo o time treinado por Thomas Tuchel iniciou a temporada. No último fim de semana, o atual tricampeão francês levou uma virada do Monaco após estar vencendo por 2 a 0 no segundo tempo e, com isso, sofreu sua terceira derrota na Ligue 1, competição em que começou sendo batido por Lens e Olympique de Marselha. Mesmo assim, os parisienses estão na liderança da competição, com dois pontos de vantagem.

Já na Champions, os reveses para Manchester United (em casa) e para o RB Leipzig, pela última rodada, fazem a equipe chegar já a cinco derrotas em 14 jogos na temporada. Este foi exatamente o mesmo número de vezes que o PSG perdeu nos 49 compromissos que teve em 2019-20 – a equipe foi superada três vezes no Francês em duas na Champions, incluindo a final contra o Bayern de Munique.

A queda de rendimento é evidente, mas é necessário fazer considerações significativas em relação a isso. A temporada 2019-20 acabou em 23 de agosto, enquanto a campanha 2020-21 começou em 10 de setembro, ou seja, houve um intervalo de apenas 18 dias para o elenvo.

“É um ano único, e temos que nos adaptar”, afirmou Kylian Mbappé em entrevista ao site do PSG em outubro. “Mas mentalmente, é difícil voltar. Na minha cabeça, e há muitos de nós que sentem isso, não é uma nova temporada. É como se a última temporada apenas tivesse continuado. Para mim, estamos no 60º jogo da temporada, e não no nono jogo da nova temporada”.

Um calendário apertado por conta da pandemia do coronavírus. Uma realidade que causa uma probabilidade muito maior de atletas serem desfalque. Além do acúmulo de jogos e da grande exigência física, há também o risco de contrair a COVID-19. E o PSG tem lidado com as duas questões constantemente, tanto que o jornal Le Parisien chegou a fazer no fim de outubro uma lista de 23 baixas do elenco no intervalo de dois meses.

A boa notícia para Tuchel, no entanto, é que Neymar (que não esteve em campo em metade dos jogos do clube em 2020-2021 retornou de lesão na última partida da equipe ao entrar no segundo tempo. Assim, ele estará ao lado de Kylian Mbappé e cia. para tentar diminuir a pressão no PSG e aumentar as chances de classificação às oitavas de final da Champions.