<
>

Arbitragem 'isentou' Romero em lance que causou fratura em jogador da Argentina: 'Foi para se proteger'

No empate em 1 a 1 da Argentina com o Paraguai, a lesão de Exequiel Palacios chamou atenção. O meio-campista acabou sofrendo uma fratura na vértebra da região lombar após joelhada de Ángel Romero, que foi absolvido pela arbitragem.

No vídeo divulgado pela Conmebol sobre a análise da jogada, a arbitragem comandada pelo brasileiro Raphael Claus entendeu que o ex-Corinthians foi para a jogada para se proteger. Apenas o cartão amarelo foi aplicado.

"Foi mais de proteção. Ele faz o voo e mais se protege de um choque e acaba atingindo as costas do adversário. Ok? Não necessita revisão”, disse o árbitro que estava com o recurso do vídeo para Claus.

Palacios foi direto para hospital em Buenos Aires e ainda se encontra internado até o momento.

A jogada causou muita polêmica na Argentina. A edição deste sábado do jornal Olé não economizou nas críticas a Romero. A capa estampava ‘Ángel Y Demonio’ e criticou a falta do pedido de desculpas do atleta.

Donato Villani, chefe do departamento médico da AFA, também detonou a postura do paraguaio na jogada, que lembrou muito a de Zúñiga em Neymar, na Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

"Foi uma atitude excessiva e desonesta. Totalmente fora de cabimento. A situação de Palacios poderia ter sido pior do que foi, embora Exequiel ainda deve ficar entre dois e três meses sem jogar. Nos próximos dias receberá terá alta e irá para a casa dos familiares”, afirmou Donato Villani, chefe do departamento médico da AFA.

“Essas coisas devem ser banidas do futebol. De maneira nenhuma você levanta os joelhos assim. Quem está à frente não é um inimigo, é um companheiro de trabalho que circunstancialmente está do lado oposto”, finalizou.