<
>

Belletti vê Felipão como nome certo para resgatar 'espírito vencedor' do Cruzeiro: 'Trouxe o sorriso de volta a todos no clube'

play
Lisca relembra notícia sobre Felipão como 'segunda opção', se diverte e exalta o técnico: 'É referência!' (1:30)

Em entrevista exclusiva ao repórter Flávio Ortega, o treinador do América-MG explicou por que disse 'não' ao Cruzeiro (1:30)

Nesta sexta-feira (30), o Cruzeiro entra em campo contra o Paraná pela 19ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro e a partida marcará um reencontro especial: o do técnico Felipão com o estádio do Mineirão. À frente da Raposa, a última vez foi há quase duas décadas, no dia 30 de maio de 2001, em confronto contra o Palmeiras pelas quartas de final da Libertadores.

Prestes a fazer a sua terceira partida sob o comando do clube mineiro na segunda divisão, o técnico de 71 anos segue invicto. Até aqui, conquistou uma vitória e um empate, contra Operário e Náutico, respectivamente. E para quem já trabalhou ao lado de Felipão diversas vezes dentro dos gramados e agora pela primeira vez fora deles, sua chegada à Raposa foi uma decisão acertada da diretoria.

Em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br, Juliano Belletti, pentacampeão do mundo com a seleção brasileira em 2002 e que hoje exerce a função de diretor de negócios internacionais no Cruzeiro, tendo a oportunidade de trabalhar mais uma vez ao lado de Felipão, acredita que o treinador é o nome certo para tirar o clube mineiro dessa situação tão delicada.

Segundo o ex-jogador, sua chegada ao clube, inclusive, já vem trazendo resultados positivos entre os jogadores e membros da equipe mineira.

"Quando se faz a contratação de um treinador, sempre se acha que é o nome certo para tirar o clube da situação que está atravessando. Com a chegada do Felipão, a gente tem a experiência e vivência de um dos maiores treinadores da história do futebol. Em países e times diferentes, o que é muito interessante para trazer experiência e vivência para um time que precisa disso. Como instituição, todos adoram o jeito de ser dele, é respeitado, admirado, vencedor. Tudo que ele fala, você ouve com mais atenção. Já provou ser, muitas vezes, um cara vencedor. Estive trabalhando com ele durante um ano e meio na seleção, nas eliminatórias e na Copa do Mundo. Depois trabalhei com ele no Chelsea, que chegou a bater o recorde de vitórias seguidas fora de casa. A chegada dele traz um novo ânimo, uma nova energia. Aqui vivemos em constante gestão de crise por conta da gestão anterior”, começou por dizer.

“O Felipão, dentro de campo, trazer essa energia, essa esperança a mais para os jogadores, principalmente, mas também para o ambiente, para o entorno. Foi muito boa essa chegada dele a nível institucional. Trouxe o sorriso de volta a todos no clube para continuar mantendo a energia, esperança e determinação para resolver tudo que está acontecendo aqui. E também levar para dentro do campo para os jogadores voltarem a vencer", completou.

Em relação ao difícil momento que atravessa o clube mineiro, Belletti também tratou de passar uma imagem positiva sobre a atual gestão do Cruzeiro, mostrando que tem confiança que a Raposa conseguirá sair dessa difícil situação.

"Uma coisa é simples: se não fosse essa atual gestão do Cruzeiro, o clube, possivelmente, já não existiria mais. Pelo tanto de dívida. Isso traz esperança para o torcedor: 'nossa, os caras estão fazendo algo ali'. Essa esperança os jogadores assimilam dentro do campo. É claro que, tecnicamente, como o futebol é imprevisível, você precisa daquele algo a mais sempre. A confiança, o trabalho em equipe, as coisas darem certo e de saber que o time é bom. Tecnicamente, o time é bom. É um elenco bom suficientemente para subir de divisão. E agora, com a chegada de um dos maiores vencedores da história do esporte mundial para ajudar ainda mais esse time a melhorar de rendimento, voltar a vencer e subir na tabela. Porque, confesso, amigo, se fosse de outra maneira, é difícil falar isso, mas o Cruzeiro poderia estar pior, se não estivéssemos fazendo o que estamos fazendo aqui no dia a dia", concluiu.