<
>

São Paulo aposta em dupla artilheira e boa fase ofensiva para eliminar Ceni e evitar terceira crise de 2020

play
Fã de Daniel Alves, Tinga afirma que Fortaleza vai ao Morumbi para fazer história (0:51)

Em conversa com a repórter Mariana Spinelli, o lateral-direito disse que a equipe de Rogério Ceni chega confiante para o duelo pela Copa do Brasil (0:51)

O São Paulo tem neste domingo (25), no Morumbi, uma nova decisão pela frente. Contra o Fortaleza de Rogério Ceni, o Tricolor decide quem avança às quartas de final da Copa do Brasil. O vencedor confirma a vaga direto, enquanto um novo empate, com menos ou mais gols que os 3 a 3 do Castelão, leva a disputa para os pênaltis.

A equipe de Fernando Diniz, claro, se apega nos números que são favoráveis a ela para evitar uma nova crise, como aconteceu nas eliminações no Campeonato Paulista, diante de um desfigurado Mirassol, e na Conmebol Libertadores, quando se despediu do torneio ainda na fase de grupos, sem superar os classificados River Plate e LDU.

O aproveitamento no Morumbi, por exemplo, pode animar a equipe. Em casa, o São Paulo venceu 66,6% dos pontos e perdeu apenas dois dos 18 jogos. Também marcou gols em 89% dos jogos no estádio, passando em branco somente nos empates com Corinthians, pelo estadual, e Grêmio, no Brasileirão.

Gol, aliás, não tem sido um problema nos últimos jogos. O Tricolor marcou 20 vezes em 10 partidas, uma média de dois por jogo, muito graças à dupla Brenner e Luciano. Juntos, os atacantes somam 15 gols na temporada (nove do primeiro e seis do segundo) e só perderam uma das 12 partidas em que atuaram lado a lado: os 3 a 0 para o Atlético-MG, quando o garoto entrou no segundo tempo.

Se tem boas chances de marcar pelo menos uma vez contra o Fortaleza, o São Paulo precisa evitar gols do lado contrário, o que é um desafio para este time. Nos últimos dez jogos, a equipe foi vazada sete vezes, exceções feitas aos confrontos com Atlético-GO, Palmeiras e Grêmio.

O São Paulo não avança às quartas de final da Copa do Brasil desde 2015, quando chegou até a semifinal e foi eliminado pelo rival Santos. Desde então, caiu duas vezes nas oitavas, para Juventude (2016) e Bahia (2019), e outras duas na quarta fase, para Cruzeiro (2017) e Athletico-PR (2018).