<
>

Barcelona x Real Madrid: Veja quais foram as principais mudanças nos elencos desde o último 'El Clásico'

O último El Clásico foi realizado em 1º de março de 2020, quase quatro meses antes da abertura da janela de transferências do verão europeu. E mesmo que o mercado tenha sido impactado pela pandemia do novo coronavírus, Barcelona e Real Madrid se reencontrarão no próximo sábado (24) com algumas caras novas e sem outras peças que já foram bem importantes.

A ESPN Brasil e o ESPN App transmitem Barça x Real, ao vivo, a partir das 11h (horário de Brasília) do próximo sábado (24 de outubro), e o ESPN.com.br acompanha o El Clásico em tempo real, com VÍDEOS de lances e gols.

De acordo com o site Transfermarkt, uma das maiores referências quando o assunto é mercado da bola, foram 32 transações no elenco do Barcelona nesta janela que se fechou em 5 de outubro; do lado merengue, 30 negócios - esse grande número envolve absolutamente todas as movimentações, incluindo empréstimos, retornos de empréstimos, transferências definitivas, jogadores subindo da base, entre outros tipos de transações. Então vejamos as principais mudanças nos elencos dos rivais espanhóis.

Saídas

Para começar, logo as duas principais saídas de ambos os clubes: Gareth Bale foi liberado em empréstimo pelo Real Madrid ao Tottenham, no qual ganhou projeção mundial, e o Barcelona abriu mão de Luis Suárez, vendendo o atacante uruguaio para o Atlético de Madrid.

Os merengues também não podem contar com James Rodríguez. O colombiano foi tentar a sorte na Inglaterra, deixando o clube espanhol gratuitamente, e vem tendo sucesso, já que o Everton é líder da Premier League.

De volta aos empréstimos, outro negociado foi o brasileiro ex-Flamengo Reinier, de 18 anos, que não chegou a ter muito espaço com Zidane e foi para o Borussia Dortmund; Brahim Díaz (Milan) e Borja Mayoral (Roma) também foram cedidos. Areola, que ficou uma temporada em Madri cedido pelo PSG, concluiu seu contrato e saiu (hoje defende o Fulham).

As maiores fontes de lucro dos Blancos foram Hakimi e Reguilón, vendidos por 40 milhões de euros (cerca de R$ 264 milhões na cotação atual) à Inter de Milão e € 30 milhões (R$ 198 milhões) ao Tottenham, respectivamente.

As perdas do lado catalão foram consideravelmente mais importantes.

Além de Suárez, que saiu de forma gratuita, o brasileiro Arthur partiu rumo à Juventus por € 72 milhões (R$ 475 milhões), Semedo foi negociado com o Wolverhampton por € 30 milhões (R$ 198 milhões), Rakitic foi ao Sevilla por € 1,5 milhão (R$ 9,9 milhões). Arturo Vidal (Inter) e Arda Turan (Galatasaray) saíram gratuitamente.

Assim como visto no Real Madrid, foram vários os negócios por jogadores que já não defendiam o clube na última temporada: Marc Cucurella, Rafinha e Carles Pérez foram vendidos em definitivo, enquanto Jean-Clair Todibo e Moussa Wagué foram emprestados novamente.

Chegadas

Ainda no Barcelona, algumas chegadas podem fazer a diferença na temporada, e a principal aquisição do clube na janela foi de Miralem Pjanic, que chegou da Juventus por € 60 milhões (R$ 396 milhões), em negócio que também envolvia Arthur, citado acima.

Além dele, o Barça também investiu em Francisco Trincão, ex-Braga, Sergino Dest, ex-Ajax, e Matheus Fernandes, ex-Palmeiras.

Outra adição importante foi o retorno de Philippe Coutinho, que Ronald Koeman anda fazendo questão de dar espaço após o retorno do brasileiro do Bayern de Munique - no qual estava por empréstimo. Carles Aleñá também voltou de empréstimo, do Betis.

O Real Madrid não fez nenhuma aquisição nesta janela - algo inimaginável se não fosse a pandemia. Os únicos reforços chegaram de encerramento de empréstimos.

Nesse caso, destaque para Martin 'Pérola Norueguesa' Odegaard, que voltou da Real Sociedad, e Álvaro Odriozola, voltando do Bayern.