<
>

Sá Pinto diz que já se sente 'em casa' no Vasco, lembra estágio com Mourinho e evita traçar objetivos

play
Novo técnico do Vasco cita estágios com Mourinho, livros de Bielsa e Guardiola e último emprego no Braga: 'Trabalho extraordinário' (2:43)

Ricardo Sá Pinto falou sobre último trabalho em Portugal e seu período sem clube antes de assumir time cruzmaltino (2:43)

O Vasco apresentou nesta sexta-feira o português Ricardo Sá Pinto como seu novo treinador.

Em sua primeira coletiva em solo brasileiro, ele agradeceu ao carinho que os torcedores vêm mostrando e disse que já se sente "em casa" em São Januário.

"Ainda antes de chegar ao Vasco, senti esse carinho pelas minhas redes sociais. Eu recebi muitas mensagens de incentivo, elas me mostraram que eu seria uma boa alternativa. O clube foi fundado por portugueses, isso diz muito. O carinho foi realmente muito importante na minha decisão (de assumir o Vasco)", contou.

"Eu sinto isso desde que cheguei. Faz dois dias, foi lá no aeroporto, eu ouvi, li, me sinto em casa. Quero muito ajudar o Vasco, quero ajudar a torcida a ser feliz", acrescentou.

O luso estava sem clube desde dezembro de 2019, quando deixou o Braga.

No tempo em que ficou desempregado, Sá Pinto contou que se atualizou sobre novas tendências do futebol, e lembrou também alguns aprendizados valiosos que teve com técnicos de ponta da Europa, como o compatriota José Mourinho.

"Saio do Braga depois fazer um excelente trabalho, e esse tempo me ocupei a ver futebol, ora de visualização de jogos, ora em leituras inspiradas em grandes treinadores, como é Bielsa, Guardiola e Mourinho, com quem tive a oportunidade de estagiar duas vezes", citou.

play
1:04

Novo técnico do Vasco: 'Nós treinadores portugueses somos organizados, trabalhamos com critério, não acreditamos na sorte'

Ricardo Sá Pinto foi apresentado nesta sexta-feira pelo clube cruzmaltino

"Participei de congressos e convenções. Ocupei o tempo assim, mas sempre com vontade. Tive algumas propostas, algumas do Oriente Médio, outras da Europa, mas o convite do Vasco era um sonho antigo que eu tinha e não hesitei. O risco está sempre em nossa profissão. E ainda mais quando é observado de cerca de 35 milhões de apaixonados, então farei de tudo para satisfazê-los", prometeu.

Questionado se o Vasco lutaria para não cair ou para se classificar para a Conmebol Libertadores, Sá Pinto preferiu não traçar objetivos.

"Nesta altura, penso sempre no próximo jogo, meu objetivo é vencer o primeiro jogo. Eu me foco jogo a jogo. Depois naturalmente, com aquilo que formos conquistando, vamos falando em objetivos", afirmou.

O português também fez questão de ressaltar que seu primeiro contato com o elenco foi bastante satisfatório.

"Foi muito bom, positivo. Senti eles com disposição conseguirmos juntos termos resultados positivos. Eles sabem que venho de realidade diferente, mas eles estão receptivos. O time está bem mentalmente e isso é meio caminho andado", apontou.

"Além dos jogadores, fui bem recebido por todo o estafe. Todos. Eles estão querendo ajudar para eu e minha equipe nos adaptarmos o mais rápido possível", finalizou.

Sá Pinto ainda não comandará a equipe no domingo, contra o Internacional, no Beira-Rio. O interino Alexandre Grasseli será o responsável.