<
>

Dybala: 'Muitas pessoas prestam mais atenção em jogadores do que em presidentes'

Curtindo ainda seu quinto Scudetto dos nove que a Juventus conseguiu nos últimos anos, o atacante Paul Dybala decidiu transcender o universo do futebol e colaborar com iniciativas sociais. A inspiração não veio de outros nomes da modalidade, como Jürgen Klopp e Giorgio Chiellini. Foi motivada pelas próprias angústias e uma sensação que o fez despertar.

“Às vezes, olho para a sociedade e vejo coisas que gostaria de mudar. Parece ridículo, mas adoraria poder mudar o mundo de uma maneira pequena. A verdade é que o futebol é uma arma poderosa. Por alguma razão, as coisas que dizemos são ouvidas em todo o mundo, e muitas pessoas prestam mais atenção em jogadores do que em presidentes”, disse, em entrevista ao “The Guardian”.

“Penso que temos de usar o poder que nos é dado para enviar mensagens positivas e ser modelos fortes. Acredito que se todos no futebol se reunissem, poderíamos dar muito, ajudar as pessoas necessitadas e atender os desejos de tantas crianças”.

Dybala ingressou como um dos doadores do Common Goal, do qual fazem partes os dois nomes citados acima e muitos outros do mundo do futebol. Ao todo são 159 membros. Trata-se de uma iniciativa simples. O doador informa a quantia e sugere como gostaria que fosse usada pelo fundo, inclusive apontando o local de destino da verba.

O argentino sugeriu projetos sociais em seu país natal, mas também em Israel, Palestina, Índia e Ruanda.

“Já dei caridade antes, mas sempre fiz de forma anônima, porque o objetivo não é obter publicidade. Acho que fazer parte dessa iniciativa, ser uma das 159 forças, é importante. Nós nos reunimos como um grupo e queremos trabalhar em equipe em solidariedade com pessoas menos afortunadas que nós”, disse Dybala, relevando um “empurrãozinho” que recebeu.

“É algo que eu decidi com minha família, e minha mãe estará muito envolvida”, disse. “Para ela, esse é um projeto muito bonito e muito importante. Minha mãe sempre gosta de me dizer que é algo que tenho que fazer e, é claro, tenho que respeitar a opinião dela”.

Dybala se comprometou a doar 1% do salário da Juventus para a Common Goal, tornando-se o primeiro jogador sul-americano a participar da iniciativa. Agora, ele também espera motivar outros jogadores a seguirem o mesmo rumo.

Foco na Champions

Aos 26 anos, Dybala revelou também para "The Guardian" ter fome por títulos. Além das cinco taças da Série A, espera ganhar também a Champions League, o troféu mais cobiçado pela Juventus há anos.

Na próxima sexta (7), a equipe italiana finalmente enfrentará o Lyon, em Turim, pelo jogo de volta das oitavas de final da Champions League, após uma pausa de quase cinco meses por causa da COVID-19. Se avançar, toda a fase final será em Portugal.

“É uma temporada tão longa. O primeiro jogo contra o Lyon foi há cinco meses e muitas coisas aconteceram no meio, mas sabemos o que ainda podemos alcançar. Será estranho jogar a Champions sem torcedores", disse.