<
>

Barcelona: Braithwaite, reforço de emergência, agora vira problema para clube não perder milhões

Martin Braithwaite não voltará a jogar pelo Barcelona.

O dinamarquês segue treinando sob o comando de Quique Setién apesar de não estar inscrito na Uefa Champions League e espera que o clube lhe encontre uma saída durante o próximo mercado de transferências, sabedor de que não está nos planos esportivos mesmo com contrato até junho de 2024.

A ascensão definitiva de Ansu Fati, as contratações de Pedri e Trincao e as presenças de Lionel Messi, Antoine Griezmann, Luis Suárez e Ousmane Dembélé - além da intenção de comprar (ainda que não exista certeza) um atacante de primeiro nível com Lautaro Martínez em cena - evidenciam a posição de debilidade de um Braithwaite cujo impacto na equipe desde sua chegada no mês de fevereiro tenha sido mínimo.

O ex-atacante do Leganés, por quem o Barça pagou 18 milhões de euros de sua cláusula de rescisão, foi titular em apenas quatro dos 14 jogos possíveis, totalizando 406 minutos, completando somente o duelo contra o Mallorca e marcando um gol (exatamente nesta partida).

A suspensão de LaLiga em março acabou afetando o dinamarquês, pois Luis Suárez conseguiu se recuperar... Mas dos três jogos em que esteve à disposição de Setién antes da parada só foi titular em um, contra a Real Sociedad, e acabou afastado dos planos do treinador tanto pela volta do uruguaio quanto pela eclosão de Ansu Fati, que mesmo jogando menos no Espanhol no mesmo espaço de tempo (357 minutos) marcou três gols e se catapultou definitivamente.

PACIÊNCIA

Com toda essa situação, o plano do Barcelona passa por encontrar um destino a Braithwaite durante o próximo mercado, algo que o próprio jogador está absolutamente consciente. No entanto, de cara, entende-se que seja uma operação de difícil encaixe.

O dinamarquês, com quatro temporadas de contrato pela frente, desfruta de um salário modesto no clube catalão, mas muito superior ao que tinha no Leganés, o que o torna uma peça proibitiva para não poucos clubes que estudam sua possível contratação.

Uma transferência se considera difícil de conseguir, pois o Barça quer ao menos 14,5 milhões de euros para não computar perdas contáveis com ele. Com isso, considera-se mais factível um empréstimo com opção de compra para, ao menos, salvar o custo de seu salário no Camp Nou.

Ainda que a nova temporada só começará na primeira quinzena de setembro, o mercado de transferências irá até 5 de outubro, e durante os próximos meses o Barcelona confia que lhe encontrará um destino, com a Premier League ou a Ligue 1 francesa como principais destinos, mas sem descartar LaLiga espanhola.

A aposta da secretaria técnica pela contratação de urgência de Braithwaite após a lesão de Dembélé em fevereiro acabou se mostrando um erro estratégico de grande consideração. Um investimento ruim economicamente e falido pelo plano esportivo, fechado duas semanas depois que Carles Pérez foi para a Roma por 11 milhões de euros.

O atacante catalão, por sinal, teve incidência muito maior na Itália (733 minutos em 16 partidas, com 7 titularidades) do que alcançou um Braithwaite, cuja passagem pelo Camp Nou ficará na memória como um fracasso absoluto.