<
>

Tiago Orobó detalha métodos de Rogério Ceni no Fortaleza: drone, filmagem e supervisão até em vídeo

play
Bahia é 'favoritaço' na Copa do Nordeste? Quais times disputarão o título? Guilherme Bellintani analisa torneio (0:34)

Guilherme Bellintani concedeu entrevista exclusiva aos Canais ESPN (0:34)

Rogério Ceni busca o segundo título consecutivo da Copa do Nordeste pelo Fortaleza. Para isso, o time tricolor, campeão em 2019, precisa passar pelo Sport neste sábado (24), às 16h (horário de Brasília), em duelo único válido pelas quartas de final que será disputado no Barradão, em Salvador - por conta da pandemia do novo coronavírus, toda a fase final será na Bahia.

Desde que chegou ao clube cearense, o técnico de 47 anos venceu a Série B do Brasileiro de 2018, o Cearense de 2019 e conseguiu se manter na elite nacional do ano passado para 2020, classificando-se ainda para a Copa Sul-Americana deste ano (foi elimnado pelo Independiente-ARG).

Mas como é o trabalho do 'professor Ceni' no dia a dia? Quais seus métodos e segredos?

“Ele procura sempre inventar e buscar novas formas de treinamento. Não repete treinos. As atividades são muito fortes para que os jogadores não sintam tanto a intensidade das partidas. Os trabalhos que ele faz com movimentação eu não tinha visto com nenhum outro treinador”, disse o atacante tricolor Tiago Orobó em entrevista ao ESPN.com.br.

O jogador, contratado neste ano após se destacar pelo América-RN e que não pode defender o Fortaleza na Copa do Nordeste justamente por já ter ido a campo com seu ex-clube, conta que o treinador tem o costume de participar das atividades com o elenco em campo.

“O Ceni mostra como quer que a gente faça e às vezes cruza para a gente nos treinos de finalização. Isso é legal porque ficamos atentos para fazer como ele pede.”

“Algumas vezes ele filma o treino para ver depois e utiliza alguns drones para ter uma visão de cima. Isso eu achei bem interessante”, seguiu o atacante.

Maior artilheiro do Brasil em 2020 com 15 gols marcados, Orobó conta que, durante a pandemia, Ceni supervisionou até algumas atividades que eram feitas por videoconferência.

“A exigência com ele é maior. Logo de cara deu para ver que ele quer extrair o máximo de cada um. Sem menosprezar com quem eu já trabalhei, mas ele está em outro patamar em termos de treinos e cobrança aos atletas. Ele é muito profissional”, contou.

O técnico gosta que seus jogadores saibam fazer diferentes funções dentro de campo. E Orobó já atuou como segundo atacante, centroavante e até ponta direita na equipe tricolor.

“É um cara bem extrovertido e gente boa. Ele é sério no trabalho, mas na hora de brincar ele gosta também.”

Além disso, Ceni batalhou para que o clube evoluísse também fora de campo.

“A estrutura do Fortaleza é digna de time grande da Série A do Brasileiro. Temos suporte para a preparação. Ele ajudou a mudar muitas coisas, incluindo o CT. Isso mostra o nível de exigência dele”, afirmou.