<
>

Chefão de LaLiga ataca decisão da CAS em mais um capítulo de 'guerra' de palavras contra o City

Depois de a Corte Arbitral do Esporte ter anunciado a decisão de retirar a suspensão do Manchester City das próximas duas edições da Champions League, o presidente de LaLiga, Javier Tebas, mostrou seu descontentamento com a medida.

Em sua decisão, o tribunal, máxima instância desportiva, entendeu que os Citizens não infringiram as regras financeiras da entidade europeia, mas não colaboraram com as investigações. A pena de exclusão do maior torneio de clubes do continente não seria condizente, assim, com a infração, segundo a corte.

“Temos que reavaliar se a CAS é o órgão apropriado para apelar decisões institucionais no futebol. A Suíça é um país com uma grande história de arbitragem, a CAS não está de acordo com o padrão”, disse o dirigente em mais uma declaração contra o Manchester City.

Quando a Uefa havia anunciado a decisão de banimento do clube por duas temporadas na Champions League, em fevereiro, Tebas tinha comemorado. "A Uefa finalmente tomou medidas decisivas. Fazer cumprir as regras de fair play financeiro e castigar o doping financeiro é essencial para o futuro do futebol", escreveu à época. "Há anos pedimos ações severas contra Manchester City e Paris Saint-Germain. Antes tarde do que nunca!"

As críticas vêm de antes. "Denunciamos PSG e City à Uefa. Não é um problema por Neymar, isso vem de antes. Eu tive uma reunião com Nasser (Al-Khelaifi, presidente do PSG) em março, em que disse que iríamos denunciar por trapaças. Eles recebem uns 40 milhões de euros por turismo no Catar. Para não ter perdas, incham os dados de patrocínio. Os dois clubes do mundo que mais gastaram nos últimos anos são eles dois. Estou certo de que City e PSG estão fazendo trapaças", afirmou Tebas em 2017 a jornalistas.

"O Paris Saint-Germain é um conjunto repleto de trapaças, assim como o Manchester City, e isso gera circunstâncias que desequilibram o mercado", disse em entrevista ao jornal ABC em 2018.

O presidente do City, Khaldoon Al Mubarak, respondeu a Tebas em uma entrevista ao jornal Manchester Evening News em 2019.

“Ele fala sobre nós distorcermos o mercado? Há hipocrisia nesta declaração que é irônico. Número um, vamos olhar para a liga espanhola, o tempo de quebras de recordes em contratações em jogadores. Eu digo, quem começou isso? Vamos voltar aos recordes mundiais, (Luis) Figo, (Zinedine) Zidane. Esses enormes saltos nestas transferências, onde isso aconteceu?”, afirmou.

“A história, você tem que olhar de volta para a história de LaLiga, um campeonato dominado por dois clubes, e o senhor Tebas deveria olhar para a história daquela liga e como a distorção aconteceu ao longo dos anos.”