<
>

Odair Hellmann explica confusão no final do Fla-Flu e vê Fluminense superior: 'Se fosse para alguém vencer, era a gente'

Neste domingo, o primeiro dos dois clássicos Fla-Flu que decidem o Campeonato Carioca foi disputado e terminou com vitória do Flamengo por 2 a 1.

Nos acréscimos da segunda etapa, o atacante Gabigol, do Flamengo, foi expulso após enrolar para sair do gramado e uma pequena confusão tomou conta do clássico. O técnico do Fluminense, Odair Hellmann, explicou o ocorrido.

"Da outra vez eles comentaram a respeito dos 3 minutos. Teve 3 minutos no outro jogo e 3 agora. Fui comentar isso e teve um desrespeito de um membro da comissão do Flamengo. Da mesma forma que eles pediram calma e respeito, disse que ele ia respeitar o Flamengo, me respeitar e não falar o que falou. Segue, fica dentro do campo, e que da próxima vez ele tenha respeito, porque não fica bacana para o esporte, para o grande jogo que foi", disse à FluTV.

Na sequência, o comandante tricolor analisou a partida e disse que seus comandados foram superiores ao rival "nas duas etapas" e que o resultado é "injusto".

"Na minha modesta opinião, Fluminense mostrou superioridade nos dois tempos. Fluminense tomou dois gols quando estava melhor nos dois tempos. Criamos mais oportunidade que o Flamengo, e eles conseguiram fazer o gol da vitória numa bola parada nossa, que a gente não matou a jogada. Eles tem muita qualidade, não pode dar nenhum tipo de oportunidade. É que futebol tem que colocar a bola para dentro, mas, na justiça do jogo, na visualização minha, o jogo no mínimo era para ser empate", analisou.

"Se tivesse que sair um vitorioso, seria a gente, pela produção, pela parte ofensiva que tivemos, o número de oportunidades. O que mostra que a gente está fazendo um grande campeonato, uma grande final. Quero parabenizar os jogadores pela postura, qualidade, vontade e empenho. Não é fácil essa sequência, então a cada jogo nós estamos melhorando."

Agora, as equipes voltam a se encontrar na próxima quarta-feira (15), às 21h30, no Maracanã, com mando do Flamengo, que tem a vantagem de poder até empatar para ser campeão.