<
>

Barcelona demite diretor de compliance, aumenta crise e pode ver novo escândalo tomar conta do clube

O Barcelona pretendia encerrar na segunda-feira o escândalo do Barçagate convocando uma coletiva de imprensa para mostrar os resultados da auditoria que, como destacou o presidente Bartomeu no dia seguinte, "demonstrou que ninguém colocou a mão no caixa".

O assunto, porém, continuou enquanto a Polícia, por ordem da Justiça, levou do clube toda a documentação referente ao caso... e pela demissão de Noelia Romero, diretor de Compliance do clube há três anos e que, afastado de seu cargo desde o início de junho, se converteu no grande vilão.

E que ameaça provocar um novo escândalo que ameaça a turma de Bartomeu.

Sem pagamento desde cinco de junho, a demissão de Romero, que foi efetivada na quarta-feira, acabará na Justiça pelo funcionário entender que a demissão é errônea. A função do Compliance era alertar aos diretores de possíveis descuprimentos das regras por parte dos diretores e empregados e, em fevereiro, descobriu-se que existiam contas fantasma e pagamentos fracionados para a empresa I3 Ventures, o que só chegou ao conhecimento de Bartomeu através da investigação externa.

A partir de então, como profissional, Romero começou uma auditoria interna para esclarecer o que havia acontecido e apresentar um informe que provocou incômodo em diversos setores do Barcelona e provocou sua suspensão.

Na segunda-feira, durante a coletiva de imprensa ao lado do porta-voz Josep Vivez, o responsável pelos serviços jurídicos do clube, Román Gómez Ponti, acusou diretamente: 'O informe do Compliance contém falsidades. Disseram que me entrevistaram e isso não aconteceu. A auditoria não teve acesso a nem 5% da informação e teremos que ver o que decide o juiz sobre essa atuação."

Imediatamente, Romero contestou a fala através de um comunicado garantindo aos sócios do Barcelona "o ressarcimento de todas as perdas que derivarem do caso da I3 Ventures, assim como aplicar as medidas disciplinares pertinentes". Horas depois do comunicado veio a demissão, abrindo a possibilidade judicial de consequências imprevisíveis e, ainda mais, aumentando as suspeitas sobre as informações que ainda podem estar escondidas.