<
>

Barcelona: Presidente descarta Neymar agora, fala sobre Setién e diz que Messi quer se aposentar no clube

play
Ex-presidente do Barcelona vê retorno de Neymar como difícil, mas sugere: 'Retificar é para os sábios' (1:15)

Sandro Rosell concedeu entrevista exclusiva à ESPN em Barcelona (1:15)

O presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, deu uma resposta nada animadora sobre a volta de Neymar ao Camp Nou. O cartola classificou como “pouco provável” a contratação do craque do Paris Saint-Germain na próxima janela de transferência.

“É pouco provável porque a situação econômica ficou difícil para os grandes clubes”, disse Bartomeu, em entrevista exclusiva para "RAC1", nesta terça-feira (7).

Desde julho do ano passado o brasileiro está na mira do Barça. Naquele momento, era claro o desgaste na relação entre PSG e Neymar, mas não houve nenhum acordo. Os franceses dificultaram a saída do atacante, especialmente pelo interessado ser o time catalão. Desde janeiro a imprensa europeia passou a noticiar que os dirigentes ficaram mais flexíveis para conversar.

O que mudou completamente o cenário foi a pandemia do novo coronavírus, que paralisou as competições europeias por mais de 90 dias (a Ligue 1 nem isso; foi finalizada de forma antecipada, com o PSG como campeão) e criou um problema no caixa das equipes.

Se Neymar dificilmente vem, ao menos Messi deve continuar e sem limite. O presidente assegurou na entrevista que não passa pela mente de ninguém do Barcelona perder o craque argentino.

“O contrato dele conosco vai até junho de 2021. Normalmente não explicamos [essas situações à impressa], mas temos a obrigação de renovar. Messi é o melhor jogador da história do futebol e nossa obrigação renovar com ele”, disse o dirigente. “Leo já disse muitas vezes que quer se aposentar no Barça e não tenho dúvidas de que ele vai se aposentar aqui”.

Outros dois temas obrigatórios na entrevista foram o futuro do técnico Quique Setién e saída do volante brasileiro Arthur, que vai para a Juventus ao final da temporada para a vinda do bósnio Miralem Pjanic.

“Não me arrependo da demissão do [Ernesto] Valverde [em 13 de janeiro]. O impulso teve que ser dado. E Setién trouxe novos ares e novas ideias. Obviamente ele continuará. No momento, estou muito feliz com a evolução do time. As melhorias que Setién fez foram vistas mais nos últimos dois jogos. Vamos tentar vencer a LaLiga primeiro e depois a Champions”, disse.

“A decisão de Arthur por Pjanic foi esportiva, não econômica. Há muito tempo, queríamos assinar com Pjanic. Não é verdade que seja para equilibrar o balanço, porque poderíamos vender jogadores que receberam propostas. Parte do pagamento de Arthur é a assinatura de Pjanic, algo planejado”.

Questionado se era normal um jogador deixar o Camp Nou no meio da temporada para visitar o novo clube, Bartomeu disse apenas que “tem sido um ano incomum”. E explicou as cifras. Afinal, o Barça pagou 30 milhões de euros ao Grêmio há dois anos (na época, R$ 120 milhões) e agora terá 72 milhões de euros (algo próximo a R$ 434,8 milhões) para receber na operação.

“Oferta e demanda funcionam assim. O Arthur ainda está bem valorizado e foi seu preço em março”, disse Bartomeu.