<
>

Ralf diz que “Corinthians é página virada”, mas continuará torcendo pelo clube

A saída de Ralf do Corinthians foi assunto de grande polêmica no início do ano e, até hoje, o volante não consegue entender sua dispensa do clube. O jogador, que não permaneceu no Timão por não se encaixar no modelo de jogo implementado por Tiago Nunes, garante que o ex-clube ficou em seu passado.

“Corinthians é página virada. O Tiago Nunes não me deu oportunidade de dialogar, treinar, mas a gente sabe que são coisas do futebol. Estou tranquilo, com a cabeça erguida, focado no Avaí. Não tenho muito o que falar do Corinthians, apenas gratidão eterna. Tudo o que conquistei individualmente foi graças ao Corinthians, tenho muito carinho por essa camisa. Mas hoje me vejo no Avaí, fui muito bem recebido, é um ambiente muito leve e é isso que eu precisava. Paz, tranquilidade e um clube que me recebesse bem, abrindo portas para que eu conquiste mais objetivos”, afirmou o jogador em entrevista à Fox Sports.

Ralf revelou que ficou sabendo de sua dispensa do Timão através de uma ligação de Vilson, então dirigente do clube do Parque São Jorge. Apesar da situação ter trazido incômodo, o volante diz que continuará torcendo pelo time no qual conquistou diversos títulos relevantes.

“Não guardo mágoa nenhuma do Corinthians, de ninguém. Fui muito feliz lá, agradeço tudo o que aconteceu. Nas minhas férias, um dia antes da minha reapresentação, o Vilson fez o contato diretamente comigo e disse que não era pra eu me reapresentar no outro dia. Eu não entendi, estava em casa, no meu momento de descanso, e no outro dia iria me apresentar, feliz como sempre, esperando fazer mais uma boa temporada. Não foi do jeito que eu esperava. Eles devem ter os motivos deles, mas fiquei até hoje sem entender. Sou corintiano, vou torcer para que dê tudo certo esse ano no Corinthians”, disse o volante.

Ralf acredita que o fato de não ser um jogador de meio-campo com facilidade para sair jogando não o impediria de ter sucesso sob o comando de Tiago Nunes, destacando que o Avaí confiou em seu potencial.

“Eu cheguei aqui até hoje do jeito que eu sou. Independentemente do Tiago falar sobre qualidade, de saída de bola, respeito a decisão dele, mas cheguei aqui desse jeito. Minha característica sempre foi essa, nunca fugi disso. Acho que cada um se adequa ao estilo de equipe que o treinador quer. Mas estou servindo aqui no Avaí”, finalizou.