<
>

Estudo calcula milhões perdidos em gigantes da Europa e vê PSG e Barcelona como mais impactados por pandemia; veja o ranking

Entre as principais ligas nacionais da Europa, o Paris Saint-Germain e o Barcelona foram os clubes mais impactados pela pandemia do novo coronavírus. De fevereiro para cá, o valor de mercado do elenco da dupla teve queda acentuada.

A desvalorização do clube francês foi de 25,4%, enquanto os espanhóis tiveram queda de 20,5%.

Os dados são da empresa de consultoria KPMG, que atualizou nesta terça-feira (23) o relatório anual sobre as marcas mais valiosas entre os clubes de futebol levando em conta a transformação no mercado da bola após a COVID-19.

O recorte foi a partir de fevereiro, mês em que o futebol mundial começou a entrar em quarentena. Somente há cerca de 15 dias é que algumas ligas conseguiram retomar seus torneios nacionais, como a Bundesliga, a Premier League, LaLiga e a Série A.

Outros países decidiram colocar um ponto final definitivo nas competições nacionais para não colocar os profissionais em risco. Foram os casos da França, com o PSG declarado campeão da Ligue 1, e também dos campeonatos na Bélgica e na Holanda.

Segundo o estudo da KPMG, o valor agregado de todos os 4.183 jogadores pertencentes aos clubes das dez ligas analisadas teve queda. Mas, por causa dos diferentes rumos tomados pelas entidades nacionais, a consultoria se viu obrigada a dividir a análise em dois cenários. O primeiro para países em que a competição foi encerrada e o segundo onde os campeonatos voltaram.

No cenário 1, o valor agregado dos jogadores diminuiu quase 10 bilhões de euros (R$ 59 bilhões, na cotação atual), queda equivalente a 26,5% desde fevereiro. No cenário 2, diminuiu 6,6 bilhões euros (R$ 39 bilhões), queda de 17,7%.

“É importante observar que os jogadores mais valiosos, geralmente vinculados a equipes entre os 10/15 melhores [de um total de 32 clubes ranqueados], são mais resistentes e retêm melhor seu valor”, consta em trecho do relatório final da consultoria.

A conclusão é que o impacto da COVID-19 foi mais sentido nos clubes é que as competições nacionais já foram encerradas . Assim, o PSG teve uma desvalorização calculada em 696 milhões de euros (R$ 4 milhões), queda de 25,4%.

Entre as ligas que continuaram, o Barcelona teve uma diminuição calculada em 903 milhões de euros (R$ 5,2 milhões), queda de 20,5%, sendo o clube do top 10 do ranking, dentro desse cenário, mais impactado pelo novo coronavírus.

Os mais valiosos

No final de maio, a KPMG publicou o relatório de clubes mais valiosos do mundo ainda sem considerar o cenário da COVID-19. A liderança foi do Real Madrid, avaliado em 3,478 bilhões (R$ 20 bilhões), com um crescimento de 8% em relação a 2019.

Os espanhóis tomaram a liderança do Manchester United, avaliado então em 3,3 bilhões de euros (R$ 19,5 bilhões). Já o Barcelona voltou a ser o terceiro um ano após ter sido superado pelo Bayern de Munique.