<
>

A força da arquibancada: Qual foi a torcida que contribui mais para o faturamento de seu time em 2019?

play
No Bola da Vez, economista fala em '5 ou 6 anos' para Corinthians igualar o Flamengo financeiramente (1:49)

Cesar Grafietti foi o convidado do programa da ESPN Brasil e apontou área do clube paulista 'que drena muito o caixa do futebol' (1:49)

O quase perfeito 2019 do Flamengo também fez da sua torcida a que mais contribuiu com seu clube no ano passado? Sim e não.

Há duas maneiras de se avaliar esse critério, conforme dados de um estudo divulgado nesta semana ela consultoria EY, a que o ESPN.com.br teve acesso.

Em termos absolutos de geração de receita, mais uma vez, deu Flamengo. O clube arrecadou R$ 175 milhões com receitas de Matchday (dias de jogos), que englobam bilheteria, sócio-torcedor e consumo nos estádios.

Mas, proporcionalmente, deu Vasco.

Aproximadamente, um quarto do que o clube cruzmaltino arrecadou em 2019 (24%) veio das receitas listadas na categoria Matchday.

Tal índice se traduz em R$ 52 milhões dos R$ 215 mi faturados em 2019. Com isso, o Vasco foi o oitavo time que mais recebeu contribuição da torcida em termos absolutos.

Esse montante projetado para uma comparação com as demais arrecadações em reais, no entanto, acaba sendo modesta.

Além dos R$ 175 milhões dos rivais rubro-negros (18% do faturamento), o Palmeiras, segundo colocado, teve da “torcida que canta e vibra” R$ 108 milhões (17% do total).

Internacional, com R$ 94 mi (21%), e Grêmio (18%) e Corinthians (20%), ambos com R$ 83 mi, completam o Top 5.

Acumulado

O estudo também compila os acumulados de Matchday desde 2015. Neste recorte, o Palmeiras ainda tem larga vantagem em relação aos seus rivais.

Ao longo deste período, o clube paulista arrecadou R$ 596 milhões, contra R$ 513 milhões do Flamengo.

O clube alviverde obteve receitas superiores a R$ 100 milhões em todos os anos desde 2015 - ou seja, desde o primeiro ano completo de operação do Allianz Parque.

Pela ordem, nesse ranking, vêm Internacional (R$ 397 milhões), Grêmio (R$ 335 milhões), Corinthians (R$ 302 milhões) e São Paulo (R$ 259 milhões).