<
>

Ex-Barcelona conta 'problema' que teve com Ronaldo: 'Era difícil correr atrás para comemorar'

play
Vampeta conta quando bebeu, sem Ronaldo saber, o vinho que o 'Fenômeno' ganhou do Papa: 'Tinha gosto de vinagre' (2:31)

'Era o pior', detalhou o ex-jogador, que aprontou essa peripécia na época em que ambos atuavam pela Internazionale, da Itália (2:31)

Treinador do Celta de Vigo desde novembro do ano passado, Óscar Garcia tem uma história divertida e que resume o que significou jogar ao lado do Fenômeno no Barcelona, há 24 anos. São lembranças dos golaços do brasileiro contra o Compostela, o Valencia e o Deportivo La Coruña, os mais famosos daquela temporada.

“Tive a sorte de estar muito perto e ver como ele era rápido. [Tão rápido que] Foi complicado correr atrás dele para comemorar junto. Ele ainda estava na mesma velocidade”, disse Óscar Garcia, em entrevista ao “Marca”, nesta terça-feira.

Criado na base do Barcelona, ele diz que Ronaldo, então com apenas 20 anos e vindo de uma experiência muito chamativa de duas temporadas pelo PSV, da Holanda, surpreendeu todos pelo talento.

“Ele era um jovem, muito feliz, muito engraçado. Tinha um relacionamento muito bom com toda a equipe e, desde o primeiro treinamento, vimos que ele era um jogador diferente. Estava claro que ele iria ajudar muito e se tornaria uma lenda”, disse.

"O que mais chamou minha atenção foi a humildade dele. Ele tratou todos da mesma forma e estava sempre sorrindo e brincando. Ele ganhou confiança muito rapidamente. Então, quando você o vê em campo, na velocidade em que ele executava tudo o que queria. Foi impressionante. Até a chegada de Messi, eu nunca vi um jogador que dirigia a bola a essa velocidade, tão perto do pé e podia fazer muitas coisas. Só vi ele e Messi”, completou.

Ronaldo defendeu o Barcelona por apenas uma temporada, uma das mais vitoriosas da carreira.

Foi campeão invicto da extinta Recopa da Europa, anotando o único gol da final contra o Paris Saint-Germain, em Rotterdam, da Copa do Rei contra o Atlético de Madrid e da Supercopa da Espanha contra o Betis.

Faltou apenas o título de LaLiga, com o Barcelona ficando com o vice-campeonato, dois pontos atrás do Real Madrid (90 a 92). Foram 49 jogos oficiais e 47 gols. Em 1996, foi eleito pela primeira vez o melhor jogador do mundo.

Após o sucesso da primeira temporada, foi negociado com a Internazionale, da Itália.