<
>

Atlético de Madrid: ex-diretor explica como clube conseguiu perder Raúl e deixou Ronaldo Fenômeno escapar

Ronaldo e Raúl formaram uma badalada dupla de ataque no Real Madrid, entre 2002 e 2007. A parceria, apesar da qualidade dos dois, nem teve tão sucesso assim em campo. O curioso é que os dois poderiam ter jogado juntos anos antes, só que no Atlético.

Quem conta a história é Rubén Cano, ex-atacante colchonero entre 1976 e 1982 e depois diretor de esportes do clube. Em entrevista ao podcast "Maneras de Vivir", o cartola lembrou quando o Atlético de Madrid tinha Raúl em sua base e ficou muito perto de comprar Ronaldo, ainda garoto, antes de se tornar o Fenômeno.

"Raúl era um fora de série na base. Eu o chamava de 'Maradoninha', porque era deslumbrante vê-lo jogar. Certo domingo, convidei o pai dele para conversarmos sobre a renovação de contrato, mas ele não veio", disse Cano.

"Uns dias depois, me disseram que Raúl tinha assinado com o Real Madrid. Foi uma das vezes que deixei o clube. As pessoas dizem que saí por outro motivo, mas foi isso. Convenceram o pai de Raúl e o levaram", explicou o ex-cartola.

Sobre Ronaldo, Rubén Cano lembra que o atacante brasileiro, então um adolescente, "estava contratado", mas a negociação acabou em frustração para o Atlético.

"Estava contratado. Saí do Atlético e virei um olheiro, porque tinha muitas relações e contatos, sobretudo na América do Sul. Vi um garoto de 16 anos, Ronaldo, e pensei: este vai sair. Disse a meu parceiro para ir a Belo Horizonte e comprá-lo", lembrou.

"O PSV estava na disputa também, oferecia 600 milhões de pesetas. Na Argentina, já javia a opção de comprar os direitos e oferecer a outros clubes, então o ofereci ao Cruzeiro, com aprovação de Jesús Gil [presidente do Atlético na época]", contou Cano.

"Eram 400 milhões por 50% do passe. Todos aceitaram, menos o meu parceiro. Ronaldo poderia ter passado a vida toda no Atlético, os direitos eram do Atlético. A única coisa que o Cruzeiro queria era uma parte no negócio. Mas não deu certo".

Ronaldo seguiu carreira no Cruzeiro até ir para o PSV, de onde ganhou destaque para vestir as camisas de Barcelona, Inter de Milão, Real, Milan e, por fim, Corinthians. Já Raúl passou quase toda a carreira no Bernabéu, até se transferir para Schalke, Al-Sadd e New York Cosmos.