<
>

Premier League: Dez coisas que você precisa saber para a volta do campeonato

A Premier League irá voltar em 17 de junho, após mais de três meses de paralisação, e o ESPN.com.br relembra os principais pontos de como estava a competição. Confira abaixo:

Liverpool a 6 pontos do título

Seis pontos separam o Liverpool do título da Premier League. Há a chance, inclusive, de os Reds serem campeões logo na primeira vez que entrarem em campo. Para isso, o Manchester City precisaria perder para o Arsenal em 17 de junho, em partida que irá marcar o reinício da competição – no mesmo dia, haverá Aston Villa x Sheffield United.

Clássico do retorno

Aliás, o retorno em si merece um destaque especial, uma vez que terá o clássico entre Arsenal e Manchester City. Além do jogo em si, outro atrativo é o duelo entre Pep Guardiola e seu antigo auxiliar Mikel Arteta, que deixou a função em dezembro para assumir os Gunners.

Recorde

Além do título, o Liverpool tenta estabelecer um novo recorde de pontos na história da Premier League, que existe desde 1992-93. Atualmente, a marca pertence ao Manchester City, que somou 100 pontos em 2017-18.

Com 82 unidades até agora, o Liverpool pode chegar a 109, como ainda tem nove jogos por fazer. Ou seja, seis vitórias e um empate ou cinco vitórias e quatro empates é o que os Reds necessitam para estabelecer um novo recorde.

Vardy artilheiro

Se na classificação do campeonato o líder está bem longe dos demais, o mesmo não pode se dizer da artilharia. Atualmente, Jamie Vardy aparece no topo com 19 gols, dois a mais do que Pierre-Emerick Aubameyang. Sergio Agüero e Mohamed Salah aparecem logo na sequência, com 16 cada, um gol a mais do que Danny Ings. Sadio Mané e Marcus Rashford foram às redes em 14 oportunidades cada um.

Martinelli on fire

Por falar em gols, Gabriel Martinelli vinha sendo uma das sensações do futebol europeu logo em sua primeira temporada no Arsenal. O brasileiro de 18 anos ganhou espaço no time principal e soma dez gols e três assistências em 26 partidas. Na Premier League, são três tentos anotados.

Gigantes em recuperação

Por falar em Arsenal, o clube vinha em bom momento, possuindo a maior série invicta atual na Premier League: oito jogos (quatro vitórias e quatro empates). O time de Mikel Arteta tinha vencido seus três últimos compromissos na competição.

Outro gigante que ia bem era o Manchester United, que vinha de três vitórias e dois empates nos últimos cinco confrontos no Inglês, levando apenas um gol no período. Contando todos os compromissos oficiais, são 11 partidas sem perder, sendo oito triunfos e três igualdades.

Briga da Champions

Os dois grandes clubes, inclusive, seguem na disputa por um lugar na Champions League. O Liverpool já está garantido, o Manchester City foi - até segunda ordem - impedido de participar das duas próximas edições.

O Leicester City encontra-se em uma boa situação: na terceira posição com 53 pontos, com dez de vantagem para o sexto colocado Wolverhampton, hoje o primeiro fora da zona de classificação. Porém, as outras duas vagas estão em aberto. O Chelsea (quarto) tem 48 pontos, nove a mais do que Crystal Palace (11º).

Sheffield sensação

Em meio a este ‘bolo’ de times que ainda sonham com a Champions League está o Sheffield United, que subiu nesta temporada após o vice na Championship. Sem tanto investimento, o clube contrariou todas as expectativas e faz ótima campanha, figurando atualmente no sétimo lugar com 43 pontos, dois a menos do que quinto colocado Manchester United. Desde a 16ª rodada, o time nunca esteve abaixo da oitava posição. Vale lembrar que o clube estava na terceira divisão em 2016-17.

Briga para rebaixamento

A disputa na parte inferior da classificação também está emocionante. O Norwich City vive uma situação mais delicada. O lanterna tem 21 pontos, seis a menos do que os primeiros times fora da zona de rebaixamento. Já a diferença entre o Aston Villa, penúltimo, e o Brighton (15º) é de quatro pontos.

Novos donos do Newcastle?

Em meio ao período da pandemia, um dos assuntos mais falados da Premier League foi a possível venda do Newcastle United a um consórcio liderado por Mohammed Bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita, que pretende pagar 300 milhões de libras (R$ 2,147 bilhões) para assumir o tradicional time inglês.

Além de possíveis contratações milionárias que o clube poderia fazer, o tema também repercutiu a respeito de outras questões..

Segundo o jornal inglês Guardian, um documento estabelece ligação entre o Governo saudita e a plataforma de TV e streaming pirata BeoutQ, que transmite de maneira ilegal vários esportes na Arábia Saudita, como Wimbledon, o torneio Six Nations de rugby e a própria Premier League. Por causa disso, o Guardian afima que a venda do Newcastle, que estava muito próxima de ser autorizada, pode até mesmo ser cancelada.

Além disso, Bin Salman também é acusado de ordenar o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, em outubro de 2018, dentro do consulado da Arábia Saudita em Istambul - Kashoggi era crítico do governo saudita. O príncipe herdeiro nega a acusação.