<
>

Celso Barros critica dirigentes de Flamengo e Vasco

O encontro dos dirigentes de Flamengo e Vasco com o presidente Jair Bolsonaro não foi bem aceita pelos rivais. Após Carlos Augusto Montenegro criticar a atitude do lado do Botafogo, o vice-presidente Celso Barros se pronunciou por parte do Fluminense.

Em texto publicado nas redes sociais, o dirigente ressaltou o atual estágio da pandemia de coronavírus no Rio de Janeiro. O vice-presidente alegou que rubro-negros e cruzmaltinos estão indo de encontro ao que determinou as autoridades cariocas.

Lucas Merçon/Fluminense

Mesmo sendo vice-presidente, o cartola não vem sendo um dos dirigentes atuantes no clube nesta temporada. Barros entrou em conflito com o presidente Mário Bittencourt em questões ligadas ao futebol e acabou por se afastar da política do Tricolor.

Dentro de campo, o elenco segue com os treinos virtuais. O clube já informou que os trabalhos vão continuar até o fim do mês. O Fluminense adiantou que a retomada das atividades só vai acontecer com a liberação das autoridades.

Confira o texto de Celso Barros

Hoje tomamos conhecimento de uma reunião em Brasília, dos presidentes do Flamengo e do Vasco, com o presidente Jair Bolsonaro.

Certamente ocorreu uma discussão sobre a volta do futebol no Brasil. Esses clubes que tem um enorme número de torcedores, passaram para todos, discurso contrário, a princípio, ao distanciamento social. Esta tem sido uma defesa do Governo Federal, que é contrária a todas as lideranças mundiais.

No Rio de Janeiro, que é a base desses dois clubes, as mortes não param de crescer. Em entrevista, o prefeito do Rio, diz que não poderão existir treinos e convida os clubes a ouvirem a Bia, que contraiu a covid-19 e graças a Deus já se recuperou. Bia era ou é a Secretária Municipal de Saúde. Salientou ainda que ela é rubro-negra.

Com todo o respeito, penso que o Vasco e o Flamengo, prestaram um enorme desserviço à população carioca e brasileira, ao procurarem endossar que tudo isso não passa de uma “gripezinha” e que no caso deles, significa retornar as atividades, desrespeitando os atletas, funcionários e suas famílias.

Que Deus nos proteja!