<
>

Médicos dos clubes se reúnem com chefe paulista da luta contra Covid-19 e ouvem: testes e portões fechados

Durante uma hora e meia, os médicos dos clubes das séries A1, A2 e A3 do Campeonato Paulista participaram de uma videoconferência com David Uip, coordenador do comitê de contingência do estado de São Paulo para controle da COVID-19, para tirar dúvidas. O encontro foi na noite de segunda-feira e tratou também de um possível protocolo de saúde para ser usado.

A reunião ocorreu por iniciativa de Moisés Cohen, presidente da comissão médica da Federação Paulista, em um momento que muitos aguardam a retomada das competições.

Os torneios no Estado foram suspensos em 16 de março, dia que marcou a vitória do Guarani sobre a Ponte Preta por 3 a 2, em Campinas. Faltam seis datas para concluir a Série A1. Já as séries A2 e A3 precisam de mais nove e dez datas, respectivamente.

Durante o encontro Uip relatou que ainda não é possível elaborar um protocolo definitivo para o controle da COVID-19 por causa da dificuldade em mapear o vírus. É uma doença nova, com muitas variáveis.

Também explicou que não há prazo previsto para o retorno das competições. Uma decisão nesse sentido pode sair em 8 de maio, data em que autoridades sanitárias do Estado vão ponderar sobre o isolamento a partir dos relatórios da área da saúde.

Ou seja, a quarentena pode ser ampliada ou flexibilizada para alguns setores.

Ainda assim, alguns protocolos de saúde para aplicação no futebol foram mencionados, com a ressalva de que não estavam sendo definidas medidas, mas apenas discutindo ideias. Futuramente, quando as competições forem retomadas, um protocolo oficial será elaborado.

Uma das sugestões apresentadas foi realizar testes em todos os jogadores. Uip orientou que a federação e os clubes firmem parceria com alguma universidade ou buscam algum laboratório de análises único, assegurando que todos os testes sejam feitos pelo mesmo ente.

Foram tratados exemplos para evitar aglomerações, como, por exemplo, suspendendo concentrações de atletas antes dos jogos, realizando partidas com portões fechados e também sem a presença da imprensa (apenas com os responsáveis pela transmissão dos jogos).

Perto do final do encontro, Uip destacou que é importante os clubes manterem a calma e os jogadores treinando em suas residências e prometeu para Coen outros encontros para tratar do tema.