<
>

Até cinco substituições por jogo: Fifa estuda medidas para aliviar jogadores pós-coronavírus

play
Iniesta se solta no TikTok e dança em brincadeira com a esposa (0:15)

Ex-jogador do Barcelona entrou em desafio da rede social (0:15)

A Fifa enviou à International Football Association Board (IFAB), órgão que regulamenta as regras do futebol, uma proposta para aumentar para cinco o limite de substituições nas partidas quando os campeonatos forem retomados.

Segundo informaram à Agência Efe fontes da Fifa, foi encaminhada à IFAB "uma proposta de flexibilizar temporariamente a Regra 3 a fim de permitir um maior número de substituições".

A proposta precisa ser aprovada pela International Board, que estabelece as regras do futebol. O plano seria manter este cenário até o fim da próxima temporada e também para os jogos de seleções até o término de 2021, o que inclui a Eurocopa, que ocorreria entre junho e julho de 2020 e 2021 e foi adiada em um ano. O mesmo vale para a Copa América.

Assim, as competições que até o momento permitem menos trocas (três nas partidas das categorias principais) "poderiam dar a cada equipe a possibilidade de utilizar até cinco substituições durante a partida, com a opção de uma substituição adicional durante a prorrogação, quando for pertinente".

De acordo com as fontes, a proposta segue o princípio fundamental da Fifa, a saúde, motivo pelo qual "nenhuma partida ou competição merece arriscar uma vida humana, então o futebol só deverá ser retomado quando as autoridades de saúde e os governos disserem que é absolutamente seguro e que não prejudicará os serviços de saúde prestados à população".

A Fifa entende que, quando as competições forem retomadas, é provável que tenham pela frente um calendário de jogos congestionado, com uma frequência de partidas disputadas em semanas consecutivas superior à normal".

"A segurança dos jogadores é uma das prioridades da Fifa. Uma preocupação neste âmbito é que a frequência de partidas, superior à normal, possa aumentar o risco de possíveis lesões devido à sobrecarga dos jogadores", comentaram as fontes.